LEVI.COM.BR - PAG.PRINCIPAL
CLIQUE AQUI PARA SE ASSOCIAR!
CLIQUE
AQUI
PARA SE
ASSOCIAR!
HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS



A ESOTERICA.FM É PATROCINADA
PELOS ASSOCIADOS DA LEVIR

  • ESOTERICA.FM
  • TEOSOFIA
  • PALESTRAS
  • LIVRARIA
  • ASTROLOGIA
  • NUMEROLOGIA
  • MAÇONARIA
  • CRISTIANISMO
  • TELEMENSAGENS
  • TEXTOS EM INGLÊS
  • MEMBROS
  • INDIQUE-NOS
  • FALE CONOSCO

    LIVROS
    RECOMENDADOS

    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    DO MESTRE SECRETO E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    UM ESTUDO SOBRE A CONSCIêNCIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO MESTRE ELEITO DOS NOVE




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    FUNDAMENTOS DE TEOSOFIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - CURSO DE ESOTERISMO E TEOSOFIA - NÍVEL 1




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    NãO Há OUTRO CAMINHO A SEGUIR




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ÍSIS SEM VÉU - VOL. I




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCULTURA À LUZ DO OCULTISMO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO APRENDIZ E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO APRENDIZ E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - O LADO OCULTO DAS COISAS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    TEOSOFIA SIMPLIFICADA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO MESTRE MAÇOM E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    CHEGANDO AONDE VOCÊ ESTÁ




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PROCURA O CAMINHO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - MEDITAÇÕES DAS CARTAS DOS MESTRES DE SABEDORIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    OS MESTRES E A SENDA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    A VOZ DO SILêNCIO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ALEGRIA E TRIUNFO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AS SETE GRANDES RELIGIõES




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AOS QUE CHORAM OS MORTOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    NãO Há OUTRO CAMINHO A SEGUIR




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O INTERESSE HUMANO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ORIGENS OCULTAS DA MAÇONARIA (AS)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    TEOSOFIA PRÁTICA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    OS MESTRES E SUAS MENSAGENS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ÍSIS SEM VÉU - VOL. IV




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUZ E SOMBRA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    MUNDO OCULTO,O





    VEJA A
    RELAÇÃO
    COMPLETA
    DE LIVROS



    FALE CONOSCO!


    INDIQUE ESTA PÁGINAINDIQUE AQUI
    Indique Esta Página para seus amigos!

  • ALQUIMIA


    "A ALQUIMIA TEOSÓFICA"


    06/10/1996
    Osmar de Carvalho



    Boa tarde a todos! Bom, o tema que vamos desenvolver hoje é "Alquimia Teosófica". Obviamente, vamos falar mais sobre a Alquimia de uma maneira introdutória, pois como já dizia aquele poeta "A arte é longa e a vida breve". A Alquimia é basicamente uma das chaves mais profundas para nós atingirmos a nossa busca pelo desenvolvimento espiritual. Só que a Alquimia têm uma série de coisas extremamente complicadas dentro da sua prática e também da sua teoria. Diria que a teoria da Alquimia é muito mais complicada do que a sua prática. Então, vamos tratar hoje de fazer uma introdução geral a este tema porque nós pretendemos nos próximos meses estar tratando de algumas operações alquímicas mais específicas. Assim, vamos dar uma grande introdução que visa conhecermos o terreno do que vem a ser a Alquimia e mais especificamente uma Alquimia compreendida em termos teosóficos, pois já que estamos na Sociedade vamos usar do nosso jargão conhecido.

    Primeiro para entender o que é a Alquimia temos que buscar a própria origem do nome, porque sabemos que dentro da cultura popular todo mundo já ouviu falar alguma coisa de Alquimia, ou já viu o livro "O Alquimista" do Paulo Coelho, ou já viu os "Cavaleiros do Zodíaco" (série de TV) estão sempre mencionando esta coisa mágica; a pessoa têm superpoderes, transforma uma matéria vil em ouro, têm o poder da transmutação, isso obviamente é um folclore que existe em torno do termo Alquimia, é de certa forma uma palavra que já está em descrédito; poderíamos colocar assim dentro da cultura popular, porque muito se fala em Alquimia e pouco se entende e muito menos se pratica deste termo, então ai o termo vai se tornando cada vez mais laico, vai caindo em usos como "Alquimia do Amor", lança-se um livro "A Alquimia da Culinária", o termo vai se tornando cada vez mais depreciado até que perca totalmente a origem, e daí perdemos totalmente o link com a origem histórica.

    O termo Alquimia vai surgir justamente desse sufixo "Khem" [escrevendo a palavra na lousa] que tem haver com a Terra do Egito, o Egito Antigo; se formos olhar etimologicamente, "Khem" significa "Terra Negra" que era basicamente o tipo de solo que havia no Egito Antigo, e suponho no moderno, mas o surgimento da Alquimia remonta a toda a tradição mística, a tradição hierofântica, digamos assim, do Egito Antigo; usava-se antigamente, quando referiam-se ao Egito, sobre a terra de "Khem", ou então se falar sobre a "brisa do Nilo", sempre se referia aquela região como a área da "Terra Negra", e deste termo aqui vamos ter uma série de termos que advém dessa origem primitiva; o mais conhecido deles é o termo química que todo livro de primeiro ou segundo grau sempre tiram um pouco de sarro com o pessoal antigo porque dizem: "Da Alquimia, os alquimistas mexiam com isto e aquilo, mas ai uma pessoa mais séria veio e percebeu que havia alguma coisa real ali e formou a química". E obviamente que a Alquimia é o termo predecessor daquilo que conhecemos como química que nada mais é do que o conhecimento dos elementos de como eles se misturam, de como há as ligações químicas e por ai afora.

    Só que a Alquimia era algo muito mais profundo. A primeira dificuldade que surge no estudo da Alquimia é justamente a utilização de um vocabulário muito simbólico, e até estava conversando com a (MST) Luciana neste fim de semana sobre isto, a diferença que existe entre "signo" e "símbolo", isto é uma coisa que na Alquimia é fundamental, porque o signo é uma coisa conhecida. Por exemplo se você tem uma letra, a letra "A", ou então as diversas letras, são todas signos, são desenhos que sabemos objetivamente qual é o seu significado. Agora por exemplo um símbolo, como é o símbolo da Sociedade Teosófica, ele pode até conter elementos de coisas conhecidas mas a função do símbolo é muito mais profunda. O símbolo é um objeto que pode ser desenhado, esculpido [etc.], cuja função é de gerar um determinada função [ou efeito] dentro da psiqué da pessoa. Então quando olhamos um símbolo é diferente de olhar um signo, porque o signo nos traz uma mensagem racional direta, enquanto que o símbolo ele opera determinadas mudanças dentro da nossa psiqué, dentro do nosso inconsciente.

    Como exemplo disto temos a passagem de nosso amigo orador [MST Ricardo Lindemann], que foi por muito tempo vice-presidente da Sociedade Teosófica, o qual já deu conferências teosóficas por vários países ao redor do mundo, e um destes países foi no México, e lá existe um grande mural; o fulano está dando a palestra e atrás tem uma grande mural com o símbolo da Sociedade Teosófica, e ele disse que numa destas palestras ele viu exatamente esta função psicológica do símbolo atuando muito diretamente numa pessoa que estava na platéia. Era uma jovem que se sentou, e começou a olhar aquele olho daquela cobra, que aqui está bem pequenininho mas lá está bem destacado, e a moça começou a entrar e só olhava para a cobra, e tal, quando então foi daqui a pouco a mulher teve um "piripaque" lá, caiu no chão assim, o pessoal acudiu, perguntaram para ela o que que era, e ela falou: "Não, aquela cobra está vindo para cima de mim"... Entrou em sintonia com o símbolo. Então, essa daí vivenciou um processo, até meio patológico, devido ao que o símbolo evocou nela.

    E a linguagem alquímica ela é toda cheia de símbolos, ou seja, não só de signos (coisas racionais), mas de coisas irracionais, coisas que vão operar transformações dentro da nossa psiqué. Então, a primeira das coisas que os cientistas acham um absurdo na Alquimia são os "quatro elementos". Quando os alquimistas diziam que todas as coisas eram constituídas pelos quatro elementos, da terra, da água, do ar e do fogo, hoje em dia qualquer livro de ciência fala: "A química veio de uns malucos lá, que diziam que tudo era constituído de terra, de ar, de fogo e de água". Esse tipo de visão reducionista, que reduz tudo a uma visão racional, é incapaz de penetrar nas realidades que a Alquimia trabalha; nós vamos citar aqui alguns textos alquímicos que vocês vão ver que são extramamente paradoxais. Eles não se comunicam com a mente racional das pessoas. E o alquimista mais ainda. A primeira coisa que o alquimista tem que aprender é justamente não se fixar nos elementos racionais dos textos alquímicos, porque senão ele não vai conseguir atingir o objetivo a que a Alquimia se propõe.

    E só para esclarecer a questão dos quatrro elementos, [eles] não se referem obviamente a terra, ao ar, ao objeto em si, como a química normal... Se você chega para um químico normal e diz assim: "mistura terra com ar, que vai dar tal coisa"... dentro dos textos alquímicos temos isso direto. Ele diz: "Não... isso não vai dar nada. Isso é uma mistura amorfa, você não tem nada ai!" Você vai misturar "água com fogo"... pronto, acabou! Porque a água apaga o fogo e liquidou com tudo. Então os quatro elementos dentro da Alquimia tem haver com os "planos de existência" que nós tratamos em Teosofia. A terra tem haver com o plano físico e com essa nossa realidade objetiva; a água tem haver com a dimensão astral, ou seja, emocional, da nossa existência; o ar tem haver com a nossa mente; e o fogo tem haver com a nossa dimensão espiritual. Então quando eles falavam que tudo era composto por esses quatro elementos era porque ele tinham uma visão muito abarcante... aqueles símbolos que eles usam abarcam uma realidade muito maior.

    E qual é o objetivo? --"Qual é", vejam bem o tempo do verbo, porque hoje em dia ainda existem alquimistas, muitos deles nem sabem que são alquimistas mas são-- Qual era, ou qual é, o objetivo da Alquimia? É exatamente atingir a realização espiritual. Só que isso tudo esta velado numa tradição de manipulação de matéria. O alquimista, como percebe aquele que tem um conhecimento mais avançado [do assunto], é aquele fulano que está dentro do seu laboratório --[sendo irônico] aquele laboratório cheio de vidrinhos com gelo seco borbulhando-- isto não tem nada haver [com a realidade]... O alquimista pode realmente ter um laboratório, inclusive os mais avançados realmente tem, porque existe dentro da alquimia a aplicação prática daquilo que é genericamente chamado de "Princípio de Hermes", ou do hermetismo, pois foi na idade média que houve uma grande revivificação do conhecimento alquímico, então se convencionou chamar esses conhecimentos alquímicos de conhecimento "hermético", remetendo ao grande Hermes egípcio, o que é obviamente uma palavra latinizada. O grande personagem Hermes, o Hermes Trismegisto, o três vezes grande, na verdade no Egito era conhecido como "Thot", mas para facilitar latinizaram o nome e ficou Hermes, e as ciências hermeticas ficaram com esse nome. Hoje em dia também, [o termo caiu em uso público] e o fulano [diz]: "Comprei um pote que é herméticamente fechado", vejam só como os termos vão decaindo para outros usos.

    O princípio básico da alquimia é a aplicação da Lei de Correspondência, cujo enunciado existe num texto alquímico da idade média, extramamente famoso, que é a "Tábua de Esmeraldas" onde há aquele famoso enunciado: "Quod Superius est Sicut Quod Inferius; et Quod Inferius est Sicut Quod Superius", ou trazindo, "Assim em cima é idêntico ao que está embaixo e o qua está embaixo é idêntico ao que está em cima", ou seja, há uma correspondência entre Microcosmo e o Macrocosmo; existe uma correspondência entre a matéria e o espírito; existe uma correspondência entre o homem e a divindade. A aplicação destas correspondências é a chave da realização daquilo que é chamado na Alquimia do "Magnus Opus", ou a "Grande Obra", ou, usando um termo bem alquímico, a obtenção da "Tintura", da "Grande Tintura Mágica". E muito se tira o sarro dos alquimistas ao dizer-se: "Será que é verdade que o fulano conseguia atingir o Elixir da Longa Vida"; "Conseguiria atingir a Pedra Filosofal"... Os termos já são difícies: "Pedra Filosofal" - Por-quê será que... [risos] que se dá esse nome: "Pedra Filosofal"... "Elixir da Longa Vida" ainda dá para entender, pois deve ser alguma coisa que a pessoa prepara para tomar e viver indefinidamente. Isso tudo gera um folclore em torno desta Alquimia.

    De certa forma, a pessoa que se dedica a espiritualidade ela se torna um alquimista quer queira quer não. Ela pode ser inconsciente disso, mas todos nós nos valemos desta lei de correspondência para poder atingir o objetivo... pois a pessoa que está querendo se espiritualizar ela tem um objetivo, que é o de atingir uma consciência mais ampla e os textos alquímicos, eles também fazem menção a isso.

    Não estamos assim muito perdidos dentro do conhecimento de Alquimia, porque hoje em dia é a época onde estes textos estão mais disponíveis... Me lembro inclusive de ter feito recentemente uma pesquisa na Internet... existe um local na Internet que possui simplesmente cerca de 1.200 tratados de alquimia, digitados, bonitinhos, para se chupar direto para o seu computador. Mas você chupa e quando vai ver são aqueles textos assim: "Mistura a coisa com outra coisa", "Esquenta assim, faz assado"... e porque? Porque aquilo são símbolos, se você não tiver uma chave de interpretação não adianta! Você não consegue ir além... É a mesma coisa que você ver uma equação matemática: "X2+Y4.ûx"... Você lê a expressão, mas você não sabe o que aquilo quer dizer, o que aquilo ali vai dar na prática. Então nós precisamos ir fundo nisto.

    Existe hoje toda uma vertente na psicologia que usa o simbolismo da Alquimia para descrever o processo psicológico do ser humano. E isso começou com o grande psicóolgo e, podemos dizer até filósofo, Carl Jung, que durante as suas pesquisas --ele que era uma "traça" de biblioteca, uma "barata" de livraria, que lia simplesmente tudo que caia na mão dele-- se tornou um dos maiores colecionadores de literatura de alquimia da Europa. Hoje a sua casa na Suiça está preservada, e a biblioteca possui cerca de 600 manuscritos alquímicos. Jung dizia que para ele, a linguagem simbólica da Alquimia era um espelho do processo psicológico do ser humano. Então vamos abranger em certa medida este processo.

    Podemos entrar, assim, naquilo que é o "começo da Obra", o "primeiro passo". Pretendemos nos meses seguintes abranger sob diversas perspectivas várias "operações" alquímicas, sobre as quais não vamos entrar no mérito hoje senão complicaria muito a exposição.

    O indivíduo pode encontrar um alquimista, mas esta pessoa pode ser inconsciente. Ela pode encontrar um "espírita", por exemplo, ele sabe que está fazendo uma transformação interna, e isso é "alquimia". Pode ser um crente, e ele lhe dirá que ele precisa se transformar. Você precisa encontrar Deus... Se Deus não habitar dentro de você, você não é nada... Estas pessoas estão indo em direção à realização da "Obra", que é a obtenção da realização espiritual, mas elas estão inconscientes do processo. No caso do espírita, ele vai te dizer assim: "Você precisa fazer a Reforma Íntima". Há sempre a necessidade de se transformar uma coisa na outra... e isso é que é basicamente a operação alquímica, e na alquimia em si tem-se plena consciência disso, de que vamos pegar uma "matéria prima", ou "prima matéria" como vemos nos textos clássicos, essa prima matéria vai ser transformada chargar no máximo, e ai é que se usa o termo alquímico que é a "obtenção do ouro". Houveram aqueles alquimistas que cairam no engano de acreditar que a "Obra" era apenas a "matéria"... Mas se o alquimista se dedicar à transformação, e ele se transformar conjuntamente, aquilo realmente acontece... e esse é um dos mistérios do hermetismo mais profundos. Só que muitos destes hermetistas perceberam que o carvão só virava ouro se eles também se transformassem numa coisa muito mais elevada.

    Na nossa ciência atual, o métod científico diz: É científico aquilo que partindo de uma hipótese, tomando os elementos, fazendo uma experiência e anotando seus dados, e tirando as conclusões e verificando a exatidão da hipótese e uma vez que todo o processo seja reproduzível, esse é um processo cientificamente aceito. Assim, se o alquimista pudesse sentar no laboratório de química e dizer assim: para você transformar carvão em ouro, você vai precisar tanto de tal coisa, por na temperatura tal, na pressão tal, dar uns "três pulinhos", dando esta receita, e se todo cientista que chegasse lá, e não tivesse nada com aquilo, fizesse com que o carvão virasse ouro a Alquimia seria "ciência"...

    O único problema é que a Alquimia é diferente do método científico. Como por exemplo no caso do Conde de Saint Germain, segundo consta em diversas biografias dele, ele andava magnificamente adornado de jóias, andava com diamantes no bolso, ao invés de pagar a conta com dinheiro ele pagava com diamante, e um dos seus passatempos era 'esfarelar' diamantes, segundo o Glossário Teosófico, era um homem riquíssimo que dava presentes para a realeza, e tudo mais, ele era um alquimista prático, e um alquimista espiritual. Segundo consta, ele praticava toda a técnica ascética, como por exemplo o fato de ele nunca comer em público, de nunca aceitar uma migalha de pão de quem quer que fosse, e nem sequer água tomava na casa alheia apesar de comparecer aos banquetes ele ficava ali só... olhando, porque provavelmente ele tinha toda sua prática. E segundo consta, ele aprendeu toda a sua técnica na Índia, principalmente a ténica da transformação do carbono, pois é à partir do carbono, cuja versão mais simples é o carvão e a mais sofisticada é o diamante, o mesmo elemento que conforma o carvão perfaz o diamante, só que este submeteu-se a pressões e "transformações" muito grandes.

    As vertentes da compreensão da Alquimia sumarizam-se na faceta química, que é a física, e tem a psicológica, e nós vamos ver exatamente em alguns textos alquímicos essa procura. Mas o começo de toda a obra alquímica é a pessoa descobrir a "matéria prima". Temos que achar a matéria prima. Cada alquimista trabalha sobre uma matéria prima diferente, e isso é enigmático.

    Existia (e existe) uma palavra de origem medieval que sumariza essa busca. [Escrevendo na lousa] Alguns aqui jaá tiveram inclusive um contato muito próximo com esta palavra, e que é o VITRIOL. O VITRIOL é um sumário, é uma composição [uma abreviação] de um antigo lema dos rosacruzes medievais. Estando escrita em Latim, e cada letra se refere a uma palavra, e quer dizer o seguinte:

    "Visita Interiora Terrae Retificandoque Invinies Occultum Lapidem"

    Ou traduzindo:

    "Visita o Interior da Terra e Retificando Encontrarás a Pedra Oculta"

    Esse é o começo da "Obra", que é o visitar o interior da terra e descobrir essa "Pedra Oculta", que é a matéria prima do alquimista, e aí começa a simbologia, pois a pessoa menos capacitada vai ler isto e dizer: "É impossível!" Mas isto é um símbolo, e o símbolo da Pedra é um símbolo que vamos encontrar em quase todas as tradições ocultas, porque a pedra é o símbolo do ser humano em transformação. Vamos encontrá-la desde Moisés "tirando água da pedra", no texto bíblico, até a teoria e prática modernas da Maçonaria, tomando a pedra como símile do ser humano. A Pedra Oculta na verdade é uma dimensão da própria pessoa que ela vai descobrir; por isso que ela vai visitar o centro da Terra, ou seja, visitar o seu próprio interior.

    Vamos ver algumas passagens alquímicas sobre esta "Matéria Prima" da Alquimia:

    "A natureza serve a Arte com matéria, e a Arte serve a natureza com instrumentos apropriados e com o método conveniente para que a natureza produza essas novas formas; e embora a Pedra mencionada só possa ser levada à sua forma por meio da Arte, a forma é, não obstante, da natureza."
    (Alchemical Treatise of Solomon Trismosin, 18)

    Aqui, então é feita uma distinção entre o fornecimento da matéria prima pela natureza e os instrumentos que a pessoa tem que usar para transformar aquela matéria.

    "Essa matéria esta diante de todos; todas as pessoas a vêem, tocam, amam, mas não a conhecem. Ela é gloriosa e vil, preciosa e insignificante, e é encontrada em toda a parte... Para resumir, nossa Matéria tem tantos nomes quantas são as coisas do mundo; eis porque o tolo não a conhece"
    (The Hermetic Museum, 1:13)

    Temos aqui praticamente um anátema dentro da Alquimia dizer que a matéria prima está em todo lugar, que ela é uma coisa muito simples mas ao mesmo tempo muito profunda, e o tolo não a conhece porque justamente ela esta diante do seu nariz e ele não a enxerga, e nós vemos que a natureza humana é exatamente isto. Apesar de sermos humanos, às vezes consideramos esta natureza como algo vil, mas quando vemos um ser humano muito avançado achamos que ela é uma coisa muito gloriosa. Quando nós falamos de um Jesus, de um Conde de Saint Germain, de um artista ou de um filósofo, a natureza humana se nos aparece como algo maravilhosa, mas quando se trata de um gari ai na rua coletando lixo nós achamos ser ela uma coisa vil. E a matéria prima da alquimia é exatamente isto, e agora nós vemos isto mencionado de uma outra maneira:

    "Há em nossa química certa nobre substãncia, em cujo princípio a aflição rege com o fel, mas em cujo final o júbilo rege com a doçura."
    (Jung, Psychology and Alchemy, CW 12, 387)

    Este é outro anátema da Alquimia. Ele afirma que o começo da obra é "doloroso", ele é amargo, mas o final da obra é de uma extrema doçura, de uma profunda alegria. Os alquimistas todos usavam estas expressões justamente para transmitir para pessoas que tivessem ao menos um pouco de penetração no mundo oculto, pois para a pessoa que estivesse querendo o sentido lieral ela já iria descastar isto na primeira frase.

    Resumindo, nós podemos dizer o seguinte: A matéria prima da alquimia é também a matéria prima da Yoga, do cristão, do espírita, é a matéria prima do teosofista, porque nós vamos estar tratando da transformaçãp da nossa psiqué, da nossa lma em algo divino. Então nós podemos adotar "n" simbolismos para isso. Podemos adotar o simbolismo cristão, o simbolismo do espiritismo, o simbolismo mucúlmano, e o simbolismo alquímico, mas sempre trataremos sobre a transformação desta nossa natureza em algo maior, em algo mais aprofundado.

    A psicanálise e psicoterapia são hoje basicamente isto. O que se tem hoje de mais avançado na psicologia também é a busca por uma natureza que nós perdemos dentro do nosso ser.

    Jung, dentro de sua psicologia, verificou que na evolução da psiqué da pessoa, principalmente através dos desenhos que as pessoas fazem desde a tenra infância, ele notou que os primeiros desenhos que as crianças fazem, dentro de uma média geral, representam sempre um círculo; é o que ele chama de o primeiro e mais importante arquétipo que o ser humano emana. Posteriormente os desenhos mostravam a emergência de um ser desde este círculo; porque o círculo é a totalidade, ele é, digamos assim, a plenitude, de onde tudo provém; então o religioso vai chamar isto de Deus, o místico vai chamar isto de divindade, o yogue vai chamar de nirvana, como o budista, e cada um de nós veio desta totalidade.

    Uma das coisas em que Jung é mais criticado é porque justamente ele advoga o seguinte: de que nós temos alguma coisa dentro do nosso ser que nos precedeu, que precedeu nosso nascimento físico. Eu sei que aqui nesta sala em que as pessoas são predominantemente reencarnacionistas isso não é novidade nenhuma, mas neste nosso mundo materialista você dizer que alguma coisa precede a pessoa, que é justamente o que Jung advoga, [apontando para a figura 1] o que ele chama aqui de o "Si-Mesmo", ou no original em alemão é "selbest"; ou seja, existe uma consciência muito grande, enorme, que emana quando há o nascimento de uma pessoa, o indivíduo é uma subdivisão deste grande círculo, desta grande natureza.

    A evolução que existe dentro deste esquema é o seguinte: o nosso "eu" nasce dentro deste grande "Si-Mesmo", dentro desta grande consciência cósmica, podemos dizer assim, --e daqui a pouco vocês vão entender o que isto tem haver com a Alquimia--; a criança nos primeiros anos ela está completamente mergulhada nesta totalidade, e é por isto que quando ela pega na caneta a primeira coisa que ela desenha é o círculo, não porque ela não tenha coordenação motora, mas sim porque ela quer representar que ela é um todo, que ela é o centro do universo, a coisa máxima, tanto é que as relações que ela vai ter com o meio ambiente são sempre relações frustrantes; ela vai aprendendo que precisa chorar para se alimentar, tem que manifestar que está com fome... com o passar do tempo esse "eu" vai saindo da totalidade e ele vai se projetando, [mostra a figura 2] e durante a infância e a adolescência nós perdemos aquele conceito de que éramos o centro do mundo, que podíamos fazer tudo que quissémos, que nossos país nos dariam tudo que poderíamos querer, nós vamos perdendo isto. Tanto há que existem tipos psicológicos, que são identificáveis na psicologia, que não vencem essa separação. Ai temos o chamado "eu inflacionado"/"ego inflacionado".

    No final do processo teremos dois centros separados de consciência, teremos a totalidade, o "Si-Mesmo", e você vai ter o seu "eu" separado, [mostrando a figura 3], e isto seria a descrição de quando atingimos a fase adulta. Só que acontece o seguinte, nós sempre nos lembramos que viemos desta totalidade, sempre nos lembramos disto. Aqui temos que nos remeter a passagens como a do VITRIOL, que diz que "devemos visitar o centro da terra, e nos modificando encontraremos a Pedra Oculta". Tomando o simbolismo cristão, há a passagem em que um indivíduo se aproximou de Jesus e perguntou: "Como faço para atingir esta elevação?", "Você tem que nascer de novo, da água e do espírito"; "Mas como nascer de novo, entrando novamente na barriga da minha mãe"? A resposta é que deveria nascer de novo da "água e do espírito", e aqui ele forneceu uma chave alquímica para ele. A água certamente não é mergulhar numa piscina e sai do outro lado e dizer que nasceu de novo, é uma transformação que a pessoa iria ter que passar. Isto é recorrente também nas tradições místicas, a necessidade de fazer "iniciações" com a pessoa para ver se ela se "lembre", que ela atinja este estado original, um estágio de totalidade. E o estágio de totalidade, que é o novo nascimento, ele é exatamente a descoberta da "Pedra Oculta".

    E pelo fato de ser realmente muito difícil você nascer de novo, porque não dá mesmo para reentrar na barriga da mãe, é que se estabeleceram todas as operações alquímicas de maneira a você ter consciência de novo de que você pertence a uma grande totalidade.

    Se prosseguirmos este esquema [mostrando a figura 4] chegaremos ao ponto em que teremos um quadro totalmente desconectado. O Si-Mesmo, que podemos chamar de "Alma" e o "eu", ou a "personalidade", e o termo personalidade é muito apropriado porque persona quer dizer "máscara", então isto que somos aqui é uma "máscara" que colocamos sob esta coisa maior que está por trás de nós, para conseguirmos nos comunicar, nos manifestar, mas de certa forma nós nos lembramos de que somos uma coisa maior. E a Alquimia visa fazer com que a pessoa retorne aquela situação integrada, mas voltar conscientemente.

    Deste quadro emergem vários tipos psicológicos, mas podemos antever dois tipos bastante característicos; A pessoa "inflacionada", o "eu" inflado. Nós até brincamos aqui que a primeira coisa que acontece quando a pessoa conhece estes assuntos esotéricos, ela começa a pegar vários livros, o que acontece? Ela infla. A pessoa passa a ter a "Síndrome do Poder Oculto". Ela começa a ler uma série de coisas, poderosas, personagens históricos que tinham poderes, de outros planos de existência, a pessoa se "incha". Através daquela informação ela fica assim como se tivésse [realmente] aqueles poderes daquilo que ela leu. Esse período é deverás perigoso, porque a pessoa pode entrar numas coisas perigosas. A pessoa se convence a ir em determinados grupos porque ali há coisa do tipo "magia sexual", uma coisa "muito forte", acaba até se "estrepando", porque a pessoa acha que é toda poderosa, porque ela entrou num estágio como se estivesse voltando naquela onipotência que ela tinha. A pessoa que confia em demasia em si mesma enfrenta este problema também. O "eu" se imagina onipotente. É óbvio que há determinados momentos em que você precisa prinunciar o seu "eu". Não vamos pregar aqui que a pessoa deva afirmar para si mesma que não "seja nada" e se "anular", não é isso. Daqui advém toda a questão hindu de "Maya", a "ilusão da existência", em que a pessoa pode se iludir e achar que é toda poderosa.

    O Outro caso é este aqui: [mostra a figura 4] É a pessoa desconectada. Esta pessoa perde uma coisa que é muito importante em nossas vidas, que é o "significado". Quando a pessoa perde o "contato" [vide linha da figura 3], a vida perde o seu sentido, e pessoa cai em mil questionamentos sobre a "utilidade" da vida. É a mais clássica descrição da alienação. A pessoa cai em depressão, e dificilmente você conhece um esoterista que não tenha caído neste estágio. As igrejas procuram pessoas que estejam exatamente neste ponto, pessoas alienadas, pessoas que estejam com problemas de todas as ordens. Eles irão fazer um "remendo" que irá repor de certa forma algo da "conexão" com a parte superior do indivíduo. Aquela doutrina religiosa que ela vai aprender naquela Igreja irá fazer este arremedo, e através de várias catarses emocionais, ela vai então quase conseguir se reunir consigo mesmo.

    O processo alquímico é realizar exatamente isto: [mostra a conexã das duas esferas na figuras 3] A pessoa tem que ter um "eu" bem definido, um "eu" cultuado e ter também a consciência de que ela é uma coisa muito maior, que é a sua Alma, o seu Espírito. Como esoteristas temos que reconhecer a existência de nossa personalidade e do nosso ser espiritual. Essas duas dimensões juntas é que vão levar o indivíduo a integração. Há visões metafísicas avessas à isto, onde há uma deênfase na personalidade, que deve ser deixada "de fora". São verdadeiras "lavagens cerebrais", às vezes. Há movimentos que fazem exatamente isto. Raspando a cabeça do indivíduo, trocando-lhe as vestes e o nome, fazendo-o entrar em ritos e vida coletivos, fazem uma verdadeira "sujeira cerebral" ao invés de uma "lavagem". Há grupos em que o líder, num grupo de 20 mil pessoas, decide quem vai casar com quem, em que dia, e em que dia eles terão a primeira relação sexual. Analisem se estas 20 mil pessoas estão ou não com a "cabeça feita" por este fulano?

    O alquimista, através da descoberta da "materia prima", que é o seu interior, ele vai começar a reconhecer o seu "inconsciente". Ele tem que se integrar com os seus sonhos, a verificar as influências subjetivas que envolvem sua vida, e ter muito nítido o "eu", a personalidade que ele é, e ele faz o que quiser com esta personalidade, e a dimensão superior. Jung chama a esta pessoa de o "ser individuado", tanto que o objetivo da psicoterapia Junguiana é "individuar" a pessoa. A pessoa se reconhecer como um "eu" e uma coisa maior, que é sua dimensão religiosa, sua dimensão espiritual, só que estas duas coisas são bem distintas. Tanto é que para aquele religioso que diz que seu "eu" sumiu [rindo], ele "sumiu" mesmo! Pois esta completamente fora do eixo. E o outro lado, a pessoa materialista que acha que é só o "eu", que afirma que "religião? Esquece isto", pessoas que nem "sonham" mais, e que acham que religião é tudo "balela", estes dois extremos do totalmente religioso e totalmente materialista, estas extão identificadas com realidades separadas, quando o alquimista, o esoterista, o alquimista, é aquele que "junta" estas duas dimensões "conscientemente". E com a abertura da consciência, ela vai paulatinamente sabendo cada vez mais o que tem dentro dela, e isso é que é o importante. O esoterista que se enche de livros, e não consegue vencer o nível intelectual e reconhecer principalmente o seu inconsciente, que é para onde tudo o que nós reprimimos vai, nós não conseguimos realizar a "Obra".

    Caso não fosse este o caso,[se não desse essa introdução], como poderia falar aqui de operações complexas como a "mortificação", que pode levar a pessoa a se auto-iludir, se auto aniquilar.

    A pessoa alienada é um ser tão complicado que no tratamento psicológico ela passa pelos processos da "projeção" e da "transferência", que ela se espanta que o psicológo a ouve e aceita. Com o passar do tempo no tratamento, o indivíduo é conduzido a reconhecer que a "aceitação" deve vir do seu interior, que ela vai se "auto-integrar".

    No caso da religião, que é uma Alquimia, uma psicologia, para o povo, o processo sumariza-se para a multidão, onde o processo individual cede lugar ao coletivo, onde a aceitação provém de "Deus". E os processos de projeção e transferência levam o indivíduo, enquanto crê naquela religião, a atingir algum nível de "integração".

    Mas o alquimista verdadeiro ele não pode se limitar a isto. Ele não vai negar a existência cósmica, o que ele precisa descobrir é como essa Inteligência se manifesta "dentro" dele. As operações alquímicas vão levar a pessoa paulatinamente, e à partir do momento da verificação da "materia prima".

    E poderíamos falar algo mais sobre a "matéria prima". Ela normalmente é "negra"; escura"; "vil". E apesar de seu final ser glorioso, ela é repulsiva. E então a primeira materia prima que cada um deve tomar são seus defeitos, seus defeitos de caráter, de personalidade. A imagem do laboratório alquímico é dominada por uma grande "cuba" onde os elementos ficam cozinhando, literalmente em "banho maria". A substância fica tão preta que aparentemente dali não vai sair nada... Mas é exatamente isto. E os psicólogos fazem o mesmo. Analisam os "problemas", a "face escura" dos pacientes para que eles atinjam a sua "face clara".





    PESQUISAR EM LEVIR.COM.BR

    GLOSSÁRIO
    TEOSÓFICO
    HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS
    WWW.LEVIR.COM.BR © 1996-2018 - LOJA ESOTÉRICA VIRTUAL - FALE CONOSCO: levir@levir.com.br - whatsapp: 11-984754717