LEVI.COM.BR - PAG.PRINCIPAL
CLIQUE AQUI PARA SE ASSOCIAR!
CLIQUE
AQUI
PARA SE
ASSOCIAR!
HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS



A ESOTERICA.FM É PATROCINADA
PELOS ASSOCIADOS DA LEVIR

  • ESOTERICA.FM
  • TEOSOFIA
  • PALESTRAS
  • LIVRARIA
  • ASTROLOGIA
  • NUMEROLOGIA
  • MAÇONARIA
  • CRISTIANISMO
  • TELEMENSAGENS
  • TEXTOS EM INGLÊS
  • MEMBROS
  • INDIQUE-NOS
  • FALE CONOSCO

    LIVROS
    RECOMENDADOS

    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PEQUENO LIVRO DA FRANCO-MAÇONARIA (O)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    UM ESTUDO SOBRE A CONSCIêNCIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O PLANO ASTRAL




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PEQUENA HISTÓRIA DA MAÇONARIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O MESTRE PERFEITO E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOREALIZAÇÃO PELO AMOR




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - OS ENSINAMENTOS ESOTÉRICOS DE JESUS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO MESTRE ELEITO DOS NOVE




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCULTURA À LUZ DO OCULTISMO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    POTÊNCIA DO NADA,A




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O PROCESSO DA AUTOTRANSFORMAÇÃO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ÍSIS SEM VÉU - VOL. IV




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    DOUTRINA SECRETA (A) (VOL. IV)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ADVAITA BODHA DEEPIKA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    APRENDENDO A VIVER A TEOSOFIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUZ DA ÁSIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOREALIZAÇÃO PELO AMOR




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VOZ DO SILÊNCIO (A)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    OS MESTRES E SUAS MENSAGENS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VOCÊ COLHE O QUE PLANTA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    FUNDAMENTOS DE TEOSOFIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO COMPANHEIRO E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO APRENDIZ E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUZ DA ÁSIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    FIM DA DIVINDADE MECÂNICA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AS CENTÚRIAS DE NOSTRADAMUS COMENTADAS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O PROCESSO DA AUTOTRANSFORMAÇÃO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    HINO DE JESUS,O




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    SIMBÓLICA MAÇÔNICA (A)





    VEJA A
    RELAÇÃO
    COMPLETA
    DE LIVROS



    FALE CONOSCO!


    INDIQUE ESTA PÁGINAINDIQUE AQUI
    Indique Esta Página para seus amigos!

  • O REINO DAS FADAS

    The Theosophical Publishing House

    (Londres)

    PREFÁCIO

    A recepção dada ao livro Fairies at Work and at Play (Fadas Trabalhando e Brincando) me encorajou a publicar algumas notas de meus estudos clarividentes adicionais sobre o reino das Fadas. Espero que este segundo livro possa, mais que o primeiro, ajudar o leitor a entender melhor o reino dos devas, tendo sido escrito sobre um assunto e com um método de pesquisa que me eram inteiramente novos. Meu objetivo ao fazer estes estudos adicionais foi antes o de contatar a consciência do anjo e da fada do que descrever e catalogar suas formas.

    Àqueles a quem a idéia da clarividência como um meio de pesquisa é nova, eu diria que a Teosofia ensina (vide Clairvoyance - Clarividência, de C.W.Leadbeater; Man, Visible and Invisible - O Homem, Visível e Invisível, de A.Besant e C.W.Leadbeater; Introduction to Yoga - Introdução ao Yoga, de A.Besant) que este sexto sentido está latente em todos os homens, e um dia será usado como um meio natural de cognição; ainda, que é possível, pelo autotreinamento, despertá-lo de sua latência para a expressão ativa, e usá-lo como meio de investigação.

    Os métodos de treinamento ensinados pela Teosofia não têm nada em comum com os da mediunidade e do transe; eles almejam o uso consciente desta faculdade, depois de desenvolvida por meios da expansão da consciência obtida pela meditação, e pela sensibilização dos veículos de consciência a fim de que possam expressar os resultados de tal expansão.

    Meus estudos me levaram a considerar os devas como potenciais colaboradores do homem no cumprimento do plano de Deus, e prevejo um tempo quando cada instituição, religiosa ou secular, e cada casa, possam ser centros onde prevaleça a cooperação entre estes dois reinos, cujo resultado será uma expansão do ideal de fraternidade para incluir os devas e os espíritos da natureza em uma Fraternidade verdadeiramente universal de anjos e homens.

    Geoffrey Hodson

    O REINO DE DEUS

    Em Nenhuma Terra Estranha

    Oh mundo invisível, nós te vislumbramos,

    Oh mundo intangível, nós te tocamos,

    Oh mundo incognoscível, nós te conhecemos,

    Inapreensível, nós te agarramos!

    Deve o peixe nadar para encontrar o oceano,

    A águia se alçar para encontrar o ar -

    Para que perguntemos às estrelas em movimento

    Se elas ouviram algum rumor de Ti por lá?

    Não lá onde os sistemas rodopiantes se escurecem,

    E pairam nossas concepções nubladas!

    O agito das asas, sendo ouvido,

    Bate às nossas portas seladas.

    Os anjos guardam seus antigos lugares; -

    Vira uma pedra apenas, e salta uma asa!

    E tua face se espanta

    Perdendo a coisa esplendorosa.

    Mas (quando tão triste, não se poderia entristecer mais)

    Grita; - e sobre tua desolação tão profunda

    Brilhará o movimento da escada de Jacó

    Unindo o Céu e Charing Cross.

    Sim, na noite, minha alma, minha filha,

    Grita, - subindo ao Céu pelas beiradas;

    E eis Cristo caminhando sobre as águas

    Não do Genesaré, mas do Tâmisa!

    Francis Thompson

    CAPÍTULO I

    Devas

    GENIUS LOCI

    Duas vezes chegou, aquela Presença! - uma vez na gruta

    Perto do campo de macieiras na colina além -

    E agora de novo, junto do regato

    Ao entardecer. Ai, se os pulos do coração pudessem provar,

    Duas vezes nestes prados, que eu senti um Espírito se mover

    Que não era da Terra! Veio silencioso,

    Um êxtase vivo sem nome,

    E pareceu-me transformar todo o ar em Amor.

    E então, oh de onde? Densas florestas já conheci

    Que eram igualmente ricas, mas não tinham este raro encanto,

    Prados tão floridos que mais não se pode conceber, e montes também tão verdes.

    É algum Deus, algum Gênio do lugar

    Que freqüenta, imagino, este ponto, e o ama,

    E exala seu amor sob forma daquela graça difusa.

    E.A.Wodehouse

    O Deva de um Vale em Cotswold

    4 de agosto de 1925

    Este vale, que tem cerca de 3,5 quilômetros de comprimento e 1,6 quilômetros de largura, está a cargo de um deva da natureza (a palavra deva significa ser brilhante, e é o nome indiano para anjo; deva e anjo são usados em todo este livro para designar a mesma ordem de seres) que parece ter vindo para cá a fim de adiantar a evolução da vida do vale. Embora seja ele mesmo um espírito da natureza e, portanto, estaria interessado primeiramente na evolução dos reinos elemental e vegetal, ele também tem um grande interesse nos habitantes humanos do vale, e quando pode trabalha também por eles.

    No entardecer do dia seguinte à nossa chegada, subimos as colinas que se erguem no fim do vale até um ponto de onde podíamos abranger com o olhar os campos, casas e florestas de que é composto. Enquanto estávamos sentados contemplando a pacífica e formosa cena, o deva mostrou-se; pairando no ar sobre o topo das árvores diante de nós, deu-nos as boas-vindas ao vale.

    Quando visto pela primeira vez, ele parecia ter mais de três metros de altura, e sua aura se irradiava de seu corpo até uma distância de cerca de 90 metros em toda sua volta. Depois de nossa conversa, contudo, ele a estendeu ou espichou até que atingisse toda a largura do vale, incluindo o pequeno regato que corria através dele; então ele se moveu lentamente vale abaixo, tocando cada coisa viva em seu interior, dando a cada uma um pouco de sua força magnificentemente vital. Sua face é nobre e bela, seus olhos são deslumbrantemente brilhantes, e se parecem mais como dois centros de força do que olhos, pois não são usados do mesmo modo que os nossos, para a expressão de pensamentos e emoções. Expressou um benevolente cumprimento de boas-vindas, não só através do sorriso que abriu seus lábios, mas através de todo o seu ser: ele irradiou suas boas-vindas sobre nós, assim como ele dissemina seu poder purificador e estimulante sobre todo o vale. As cores de sua aura estão brilhante e constantemente mudando, à medida que fluem em ondas e vórtices para fora da forma central. O esquema de cores se altera de minuto a minuto; agora a cor predominante pode ser um profundo azul real com vermelho e amarelo dourado e verde mesclando-se através dele e nele, fazendo remoinhos e ondas de cores brilhantes à medida que fluem em corrente contínua; agora mudam completamente - há um fundo de rosa pálido, com um leve azul-do-nilo, azul celeste e o mais pálido dos amarelos. Ocasionalmente, onde os poderosos ombros das asas são delineados em fogo dourado, ele se parece como um grande pássaro com as bordas de suas asas incendiadas pelo sol poente. Há um contínuo jogo de forças, como uma miniatura de aurora boreal, subindo de sua cabeça até alto no ar, e no meio da cabeça há um resplandecente centro de luz, que é a séde da consciência dentro da forma. Enquanto o descrevo ele subitamente sobe para o céu, onde paira tão alto a ponto de ser quase invisível. Mesmo daquela altura, contudo, ele mantém o vale dentro de sua consciência.

    Seu caráter é uma combinação desusada do vívido senso dévico de liberdade de todas as limitações com a capacidade humana para a ternura, profundo interesse pelos outros, e amor. Sinto que seguramente todo o nascimento e morte dentro do vale lhe devam ser conhecidos, e que a dor, que acompanha ambos, é aliviada por ele até o máximo de seu poder; pois vejo formas-pensamento em sua aura que o mostram acolhendo em sua radiância brilhante as almas dos que recém morreram, protegendo-os, e guiando-os a um lugar de paz; vejo que ele observa as crianças brincando, e o velho camponês descansando; de fato, ele é o anjo guardião do vale, e felizes os que vivem sob seu cuidado.

    As hostes dos espíritos da natureza menores o obedecem, e vejo as criaturas da terra e das árvores e as fadas menores respondendo ao seu toque quando seu poder os toca; os elfos e brownies sentem uma exaltação súbita, cuja origem não podem compreender completamente, embora a reconheçam como sendo uma característica constante de suas vidas; as fadas sentem uma sensação aumentada de ludicidade e alegria quando ele influi nelas com sua vida radiante. Toda a Natureza parece ser estimulada por sua presença aqui. Sua influência, que dá uma certa qualidade, uma característica local, uma atmosfera especial, perceptível nitidamente em toda a extensão do vale, tem um encanto que beira o deslumbramento; isso deve igualmente afetar todos os seres humanos que vivem aqui durante algum tempo, particularmente aqueles que nascem e vivem dentro da contínua ação de sua vida áurica, e seguramente deve haver vezes em que sentem o espírito do deva sobre eles.

    Uma Cerimônia Dévica

    Hotel Balcony, Grand Salève, Suíça

    Entardecer, 4 de julho de 1925

    O grupo do Monte Branco evidentemente é um centro oculto. Forças muito grandes são visíveis atuando dentro e em torno do maciço esta tarde. Parecem como línguas de fogo saindo do corpo da montanha, atravessando os lados e se lançando alto no ar. Sobre o pico central (o próprio Monte Branco) é visível uma contínua corrente de energia, como uma radioatividade intensificada; lampejos de luzes brilhantes se projetam através dele, enquanto os devas voam para frente e para trás no meio desta efusão de energia dinâmica.

    Há uma cerimônia oculta tendo lugar sobre e em torno do pico, e parece que ela evocou o poder e a presença das hostes angélicas. No centro há um grupo de grandes anjos, todos armados de espadas; seus movimentos são relativamente lentos, e de caráter definido e ordenado, e parecem estar realizando algumas evoluções predeterminadas. Em intervalos, correntes de energia jorram para o ar acima como gigantescos foguetes, enquanto em toda volta, à margem do grupo central, há grupos de devas montanheses, selvagens e impetuosos. Sinto que estes devem ser os seres de quem Wagner tirou inspiração musical para as Valquírias (a ópera As Valquírias foi escrita a cerca de 1,5 quilômetros deste local), pois reconheço uma estreita semelhança entre sua vibração a da ópera. Eles mergulham sobre os campos nevados e geleiras até os níveis inferiores, passando pelos lados da montanha a grande velocidade; o grito das Valquírias é facilmente reconhecível.

    Enquanto dito estas observações, aumenta a intensidade da atividade no pico, e a montanha começa a parecer um vulcão em erupção, mas sem fumaça. Vejo minha consciência sendo levada para longe no espaço, além dos confins deste planeta, e percebo que fenômenos similares aos descritos estão ocorrendo em outros pontos do sistema solar. Forças começam a refulgir de e para estes pontos, e o poder começa a descer à Terra. As "Valquírias" estão começando a se tornar mais e mais selvagens em suas atividades, como se enlouquecidas pela ígnea energia do evento; estão absorvendo-a, levando-a para lugares distantes e descarregando-a dentro da terra. Fico consciente de anéis sobre anéis, hierarquia sobre hierarquia de hostes dévicas, grupos de poderosos seres se banhando na deslumbrante luz branca.

    Agora o som é acrescentado à visão; ouço música, solene e majestosa, como a dos próprios grandes Gandharvas (nome indiano para os anjos da música); é como a música dos coros celestes, ecoando longe no espaço, cantando grandes sinfonias cósmicas.

    Até onde diz respeito à Terra, todo fenômeno parece centralizado no Monte Branco; mesmo os anéis de devas parecem se erguer, círculo após círculo, verticalmente acima do pico. Neste canal assim formado jorra para cima o poder da Terra, e para baixo também flui a resposta - parecendo como um pilar de fogo cuja base descansa sobre o maciço - banhando toda a montanha e distrito adjacente em luz gloriosa. A força desce fundo dentro da Terra, e deve seguramente estar conectada com o seu espírito residente; parece como se os espíritos dos planetas estivessem se comunicando por intermédio da hierarquia dévica.

    A força parece existir tão alto quanto o plano causal e provavelmente além, enquanto produz efeitos prodigiosos também no nível astral. As vibrações astrais resultantes são claramente perceptíveis nesta distância (isto é, quase cinqüenta quilômetros); elas vêm como ondas periódicas, que passam varrendo, e se perdem na distância. Posso vê-las, ainda se espraiando longe pelo vale do Reno abaixo. No nível mental o efeito é de alcance ainda maior, embora pareça, por contraste, ser menos poderoso e mais concentrado no centro. A corrente descendente não se parece mais como sólida, mas se assemelha a fogo líquido, branco e azul prateado.

    Agora a corrente se alargou consideravelmente, e deve incluir todo o grupo do Monte Branco. Um número incontável de devas o circundam em fileiras cerradas, e também há uma constante passagem para dentro e para fora, chegada e partida; tudo o que vive, incluindo a própria montanha, fica maravilhosamente vivificado, enquanto que muitos dos devas parecem literalmente intoxicados. Comungando com a consciência de um que passava, vejo-me eletrizado por uma sensação de energia sem limite, de poder irresistível, que eu devo desviar rapidamente através do espaço para o lugar onde estou ou alguma outra parte do planeta.

    Agora finalmente a cerimônia parece estar chegando ao seu término, o número de anjos assistentes diminui; dispersam-se, viajando agilmente em suas várias direções, cada um fulgurando com o poder que recebeu, até que enfim somente os próprios oficiantes centrais permanecem; a sensação geral de hiperatividade elétrica começa a se desvanecer, embora o próprio fulgor da luz sobre o cume não diminua.

    Se alguém pode tirar conclusões de uma única experiência deste tipo, seria a de que os devas usam o cerimonial como um meio de evocar e distribuir poder, e que eles têm uma parte importante na comunicação interplanetária.

    CAPÍTULO II

    Silfos

    Espíritos da Natureza do Vento e das Flores

    Coneyhurst Hill, Hurtwood, perto de Ewhurst.

    17 de abril de 1926

    Estamos sentados na margem de uma floresta constituída de larícios e pinheiros muito velhos, que cobre esta colina de arenito; das rampas ao sul podemos ver um vasto panorama do belo interior, que se estende até South Downs.

    Uma atmosfera de alegria e jocosidade espontâneas pervade toda a atividade dos vários membros da evolução dévica que se encontram nestas redondezas.

    Há um forte vento sudoeste, no qual os silfos são vistos brincando; suas cabriolas consistem de corridas longas, rápidas e diretas no vento por quilômetros e quilômetros até que se perdem na distância; ou de rotações, volteios, e súbitas partidas verticais, seguidas por mergulhos de tirar o fôlego, que cessam abruptamente logo acima do topo das árvores, e de novo seguidos de subidas igualmente rápidas milhares de metros no ar. Aqui e ali, grupos se juntam em uma selvagem dança aérea, com suas auras se projetando atrás deles como se sopradas pelo vento, seus olhos selvagens de excitação; intoxicados de alegria, dançam em grandes círculos, subitamente formados e subitamente desmanchados, exultando no poder e energia vital de que seu lar aéreo está carregado nesta maravilhosa manhã de primavera.

    Sob estas condições eles perdem freqüentemente toda a semelhança com a forma humana, parecendo se tornar turbilhonantes massas de força e energia vital, nas quais subitamente aparecem graciosas formações do feitio de asas, longas curvas fluentes, uma sugestão de braços ondulantes, e de cabelo flutuando no vento; muitas vezes aparecem dois olhos coruscantes, e uma face de beleza transcendente, combinando em sua expressão um ar completamente impossível para o gênero humano, exaltação, êxtase intoxicante, e uma virilidade e poder ferozes. Agora mesmo um se detém, pairando tão perto que parece encher os céus com sua aura brilhante e dominar todo o campo de visão com sua dinâmica presença; num átimo já se vai, desaparecendo na distância remota, cobrindo léguas e léguas das "vastas savanas azuis" em um único segundo; ele parece guiado por uma energia e carregado de um poder sobre os quais ele mesmo não tem senão controle parcial, como se tivesse se embriagado tão profundamente de vitalidade aérea - do poder do vento que sopra ao longo dos descampados, fazendo os abetos cantarem com aquela longa e soluçante canção que é tão estranhamente parecida com o distante murmúrio do mar - que era incapaz de manter uma posição estacionária.

    O contato com a consciência do silfo nestas condições me sugere um estado de energia concentrada similar àquele encontrado dentro do átomo; produz a sensação de compressão, de um ponto de quase explosão, de energia incalculável, atemorizante em sua potência, embora inofensiva porque confinada a canais prescritos de fluxo. Fico quase oprimido pelo contraste entre esta vívida existência e nossa vida humana na carne, que parece tão torva e limitada dentro destas formas humanas pesadas e irresponsivas. Mesmo no nível mental, por exemplo, eu não teria chance alguma numa corrida com um silfo, pois enquanto eu estivesse ainda planejando partir, ele já teria alcançado a linha de chegada. A própria matéria de seu corpo é viva e infusa de energia e movimento; pareceria que, enquanto para nós é preciso exercitar a vontade para nos movermos, com alguém como ele, que recém encheu e inundou a atmosfera perto de nós com sua vívida presença, o oposto é verdadeiro, pois parece quase impossível permanecerem parados.

    Mas enquanto tento esta descrição, sou forçado à conclusão de que isto deve se restringir a certos membros da família dos silfos, pela esplêndida visão de um deva pairando, relativamente imóvel, a cerca de 700 metros acima do solo. Com cinco a seis metros de altura, ele é banhado de uma radiante opalescência branca, que parece atuar continuamente através e sobre ele. Estudando este fenômeno mais de perto, a força, da qual ele é uma expressão, parece brotar de dentro da forma central - humana, e como se revestida desta radiância branca - ao longo de toda a altura e continuamente fluir para fora em ondas para as bordas da aura. A cor predominante muda continuamente, como a de uma opala que é atingida pela luz do sol, embora infinitamente mais delicada; agora um azul, agora um rosa, agora um verde-maçã suave, atravessam e inundam toda a aura, enquanto que a nobre cabeça e face permanecem num rosa delicado. Os braços estão levemente estendidos para os lados; nesta atitude, com o poder emanando dele em todas as direções e alcançando distâncias variando de nove a dezoito metros desde a forma central, este grande deva "paira" no alto do céu. Ele parece uma vez ter pertencido à ordem dos silfos e ter evoluído para além da sua raça. Em volta, acima e abaixo dele, brincam seus irmãos mais novos, fazendo sua pose mais marcada pelo contraste com sua ágil mobilidade, seu rápido deslocamento através do espaço.

    Uma vez mais a ordem hierárquica é revelada, pois ele parece ser um deva avançado, de algum modo responsável pelas vidas e progresso evolucionário de seus irmãos. A despeito da intensa concentração dos níveis superiores de sua consciência, ele conscientizou-se de minha tentativa de contatá-lo, e seu reconhecimento em resposta encheu-me com tanto de seu poder quanto sou capaz de receber. O efeito é interessante de observar; meus corpos astral e mental - temporariamente iluminados - tendem a se arranjar em uma disposição algo semelhante à sua própria; sua força "desce" dos níveis causais e emerge de dentro de meus corpos astral e mental, carregando-os com poder e então fluindo para fora até as bordas; mesmo aqui embaixo no físico denso atua uma forte vibração.

    O deva é o centro de considerável atividade entre os silfos, grupos dos quais estão continuamente se aproximando dele; parece que alguma forma de comunicação tem lugar entre ele e os demais, após o que eles partem para suas várias esferas de atividade. Alguns deles são devas da natureza e estão ligados ao reino vegetal. Embora sua consciência seja ativa nos níveis mentais inferiores, sua forma é visível no astral, e a maioria daqueles que se aproximam dele o fazem neste nível. São devas de bosques e árvores, brilhantemente coloridos, muitos dos quais mostram em suas auras a forma e cor da árvore ou bosque a que estão ligados; alguns deles evidentemente são associados a árvores frutíferas ora em floração, e suas auras apresentam as cores do pomar ou da árvore em plena florada.

    Evidentemente a associação do espírito da natureza com uma árvore tem o efeito de imprimir a forma da árvore em sua aura, seja por um sistema de repercussão ou através da forte auto-identificação mental do espírito da natureza com a árvore; deste modo eles parecem carregar seu trabalho com eles até seu chefe, que assim pode observá-lo, e corrigi-lo, bem como influenciá-lo diretamente.

    O leitor pode ter alguma dificuldade em conceber um deva, cuja aura contenha a forma e cor de, digamos, uma macieira em flor. Seguindo um destes espíritos da natureza até seu trabalho, vejo que ele se "estabelece" dentro da árvore, o que lhe permite envolvê-la completamente com sua aura. Aparentemente ele fica nesta posição por consideráveis períodos de tempo, influenciando o desenvolvimento da consciência vegetal, bem como a de espíritos da natureza menores, pela contínua atuação de suas próprias forças vitais mais vívidas. Como resultado deste método de trabalho, a contínua atuação das forças vitais da árvore - ao longo das linhas fixas do tronco, galhos, ramagem, folhas e flores - se imprime na aura. O efeito é dos mais belos quando um número destes espíritos da natureza sobe juntos de um pomar, levando no ar duplicatas de suas incumbências junto com eles; enquanto pairam, ainda mantendo-se mais ou menos juntos, cada um subindo e descendo um pouco, são formadas ondas destas réplicas brancamente floridas; então, como se sob algum sinal, toda a companhia se mobiliza e sobe até dentro da aura do deva, levando consigo a atmosfera de beleza, alegria e a frescor primaveril da Natureza recém-desperta. Ele parece inspecionar e então abençoar; algumas vezes ele envolve um indivíduo ou grupo mais intimamente dentro de sua aura e os mantêm lá, liberando-os mais tarde. Eles parecem um vôo de magníficos pássaros quando voltam aos seus respectivos deveres.

    De certo modo isto o afeta, e sua aumenta de tamanho e brilho à medida que este trabalho prossegue. Correntes de luz procedem dele até o solo quando sua bênção é trazida através do ar por seus serviçais, e todo o fenômeno de seu "trabalho matutino" começa a assumir proporções além do poder de minha pobre pena descrever, e também de minha mente compreender.

    Com o risco de materializar toda a concepção, eu poderia compará-la a uma enorme empresa, cujo diretor controla e guia suas atividades através de seus muitos agentes, ele próprio permanecendo dentro da privacidade de seu escritório. Mas diferente dos negócios modernos, contudo, todo este vasto campo de trabalho é banhado por uma atmosfera de júbilo extraordinário, de completa cooperação natural e implícita aceitação do líder e obediência às suas ordens.

    Do topo desta colina vemos abaixo as planícies de Surrey e Sussex, que se estendem para oeste, sul e leste, naquilo que é chamado "o jardim da Inglaterra". A experiência que estive descrevendo me fez perceber a adequação do termo, e também deu-me uma mais larga apreciação do trabalho da hierarquia dévica no cumprimento do plano do Grande Jardineiro do Universo.

    CAPÍTULO III

    Gnomo e Deva

    Letchworth

    3 de janeiro de 1925

    Durante os últimos seis meses estive consciente de que um membro da família dos gnomos, que havia conseguido obter uma medida de autoconsciência maior do que alguns de seus irmãos, tem desenvolvido um crescente interesse em nós. No verão ele geralmente aparecia assim que saíamos da casa e entrávamos no jardim, correndo do pomar através do gramado, e atraindo minha atenção com lampejos etéricos. Demos pouca atenção a ele na época, mas desde que chegou o inverno ele passou a entrar na casa. Durante nossos serões em torno do fogo, ele é freqüentemente visto brincando pela sala, passando para dentro e para fora das janelas, e mostrando tanto interesse em nós como o faria, digamos, uma ave doméstica ou um esquilo.

    Ele tem exatamente cinqüenta centímetros de altura. Fui capaz de medi-lo porque sua cabeça atinge a ponta de certo ornamento nas pernas do piano. Sua pele é muito escura, e seu corpo de uma textura esponjosa, antes como o solo que foi congelado e degelou. No jardim ele costumava correr sem nenhuma roupa, embora ocasionalmente colorisse seu corpo com um verde escuro. Esta noite, contudo, noto que ele fez uma nítida tentativa de elaborar um traje, mas, curiosamente, o efeito não é produzido pelo acréscimo de vestes materializadas, mas por uma mudança na própria superfície de seu corpo, exceto no caso de sua imitação de um colarinho branco. Isto, obviamente, é um acréscimo; mais ainda, é algo a que ele parece dar considerável importância, pois quando ele se dissipa, como continuamente ocorre, ele o refaz assim que percebe sua ausência; de fato, ele não permite que se desvaneça por completo, e por ora sua contínua rematerialização ocupa uma boa parte de seu tempo. As linhas e margens de seu casaco e colete, este último completo, com botões, aparecem na textura do que corresponde à sua pele, e ele consegue uma boa medida de permanência nos contornos. Com as calças ele ainda não teve muito sucesso, e até onde posso observar ele não fez qualquer ensaio de algum tipo de calçado. Seu pescoço e braços são finos, e longos demais para o nosso senso de proporção, e sua cabeça e membros são tão frouxos e esponjosos que neste aspecto ele me lembra uma boneca de trapos; mesmo assim ele consegue em certa medida enrijecê-los à vontade, como tem estado fazendo ao executar uma espécie de dança sacolejante, através da qual dá expressão a seus sentimentos de prazer por nosso retorno de uma ausência de dez dias. Os movimentos de suas danças são uma oscilação do corpo de um lado para outro, as pernas sendo mantidas juntas e depois curvando-se para fora, primeiro para a direita e então para a esquerda, os braços ao mesmo tempo sendo erguidos acima da cabeça. Estes movimentos não provocam uma mudança de posição na sala, embora resulte num tipo de movimento vagaroso e circular.

    A face é a mais desairosa, sendo quase negra, e a testa é longa e muito encurvada. Não há sobrancelhas, só pequenas órbitas e dois pequenos olhos redondos e negros como botões de sapatos, bochechas pequenas, ou antes afundadas, nariz longo e pontudo, boca larga, por meio da qual, junto com a expressão de seus olhos, ele é capaz de registrar algo de natureza semelhante a um sorriso de prazer. O queixo é pequeno e não tem forma fixa, mas varia de acordo com a expressão de sua face. Os braços terminam na aparência de um punho fechado; seus pés têm cerca de quinze centímetros de comprimento, e são pontudos.

    Por mais desajeitado e estúpido que esta descrição possa fazê-lo parecer, existe um espiritozinho muito brilhante habitando aquele corpo. Embora não seja capaz de nada que se aproxime de uma verdadeira afeição, ele encontra prazer suficiente em nossa sociedade para fazê-lo esquecer de seus lugares habituais em favor do ambiente incomum do interior de uma casa. Ele é capaz de reconhecer minha esposa e a mim mesmo como distintos um do outro e de outras pessoas, e em nossa companhia ele acha um nítido prazer. Ele não é tão sensível às vibrações de nossas auras astro-mentais como o são outras ordens de espíritos da natureza, e pode chegar bem perto de nossos corpos físicos, sentindo apenas prazer naquelas vibrações a que é capaz de responder. Depois de algum tempo ele sente um estímulo definido, e algo que corresponde no mundo dos sólidos a um ardor quente percorre seu pequeno corpo. Quando isto chega a certo ponto ele parcialmente se desmaterializa, e flutua para o jardim como se, naquele estado mais sutil, gravitasse para seu próprio mundo. Assim que o efeito passa, o que acontece em poucos minutos, ele volta e caminha pela sala completamente alheio.

    Olhando dentro de sua mente - por uma extensão das faculdades que me possibilitam ver sua forma - não encontro nenhuma lembrança desta experiência, nada, de fato, além de uma vaga sensação de que é agradável estar aqui. Há um reconhecimento instintivo de que o conteúdo da sala lhe é familiar, mas sem nenhuma lembrança definida de qualquer contato prévio com ela. Ele não vê nenhum objeto como nós o fazemos. Quando no chão ele vê as pernas da mobília e das pessoas; ele não tem percepção de nenhuma parte superior ligada a elas. Não sou capaz de ver como ele nos reconhece, embora ele certamente mostre uma preferência por nós, e no verão ele freqüentemente aparecia assim que púnhamos os pés fora de casa. Enquanto eu dito isto ele está bem atrás de mim, e em sua mente não há nenhum conhecimento de eu ter qualquer existência acima de meus quadris; de fato, sua concepção de mim agora parece-me ser como a de um par de calças vivo. Esta concepção o satisfaz plenamente. Se, contudo, ele me vê à distância, enxerga um pouco mais para cima, digamos até os ombros, e acima deles uma espécie de névoa brilhante. Ele tanto vê quanto sente a aura de saúde, e aprecia ficar dentro dela e receber o banho etérico.

    20 de março de 1925

    Depois de um intervalo de três meses ocorreu uma oportunidade de estudo adicional do gnomo. Ele tinha sido freqüentemente visto na casa e no jardim, mas, à parte uma saudação e uma olhada em sua direção, nenhuma atenção especial lhe era dada. Investigando suas circunstâncias mais detidamente, descobri que ele tem sido objeto de uma experiência especial por parte do deva que parece ocupar a posição de guardião da vida elemental no jardim e no grande pomar em torno, onde muitos milhares de jovens árvores frutíferas estão crescendo. Evidentemente este deva está muito compenetrado no trabalho de estimular a evolução daqueles sob sua responsabilidade, e sua atitude é muito semelhante à de um treinador de animais ou de um jardineiro, que poderia selecionar este ou aquele animal ou planta para um tratamento especial. Ele observara que o gnomo havia se tornado amigável conosco, e decidiu tirar partido do fato.

    Um resultado disto parece ser um considerável aumento na tendência imitativa natural do gnomo. Agora ele usa um colarinho branco que parece ter-se tornado permanente, e um casaco escuro, e seus membros inferiores estão perdendo sua magreza e estão começando a se assemelhar as pernas de calças. Também percebo que estas mudanças não são produzidas na maneira usual das fadas, como uma vestimenta acrescentada, mas são modificações reais do corpo etérico do gnomo. Mais notável que todas é a mudança em seu rosto, que está se tornando nitidamente mais claro na cor e redondo no formato. De início eu pensei que um espírito da natureza inteiramente novo havia entrado na sala, mas de fato é o mesmo amiguinho, pois a natureza e forma do gnomo são facilmente detectadas "sob a pele". Sua inteligência está nitidamente mais viva, e sua autoconfiança aumentou muito, pois ele subiu em meu joelho, embora não sem algum receio, a julgar pela expressão de sua face. Eu vejo agora que ele não faz isso por vontade própria, mas sob uma forte sugestão, quase hipnótica, do deva que está observando. Eu estava pouco consciente fisicamente no momento em que ele subiu ao meu joelho, pois eu estava tentando contatar a mente do deva; senti então um tremor, uma frieza peculiar e um peso levíssimo em meu joelho, que atraíram minha atenção - e eis que lá estava o homenzinho. Ele não pode ver o deva, pois não possui visão astral, mas reconhece uma influência familiar, e obedece instintivamente às sugestões que a acompanham.

    É evidente que em seu estado normal os gnomos são influenciados quase inteiramente pela consciência grupal, e que todas as suas atividades, na verdade todas as suas vidas, são expressões de impulsos instintivos que afetam toda a tribo. Só quando sua atenção é muito atraída para algum objeto externo, e a consciência é atraída para a forma etérica, é que existe uma semelhança de autoconsciência, e mesmo então é muito passageira. Para eles o progresso evolucionário é marcado por um gradual aumento no poder de consciência externa, na duração do tempo em que podem mantê-la, e por um aumento no grau de sua autoconsciência.

    Auxiliado pelo deva, vejo que por fim chega um tempo em que o sentido de autoconsciência se torna relativamente permanente e o gnomo de todo esquece sua tribo e por conta própria empreende algum trabalho ou se compraz em diversões. Isto descreve, e explica, o fato mencionado em meu primeiro livro sobre as fadas, de que os gnomos eram encontrados solitários, bem como em grupos. Ele diz que é possível a individualização do estágio de gnomo diretamente para as fileiras dos silfos, embora isto não seja usual, geralmente entrando em um reino elemental intermediário durante algum tempo. É difícil conceber o gnomo escuro e terrestre se tornando uma fada, mas o deva diz que não é incomum, e que, quando chega o tempo da mudança, o gnomo passa a ter mais e mais interesse em plantas, flores e árvores, gradualmente perdendo seu caráter terrestre e sua afinidade com este elemento, e assumindo as características das fadas. Lembro com interesse como eu costumava ficar confundido de ver gnomos ligados a árvores e portando asas, mas parece - e o deva o confirma - que estes eram estágios de transição. Ele explica que depois de passar por esta metamorfose, o gnomo se encontra em uma das famílias de fadas maiores, como as ligadas a árvores ou os tipos maiores de plantas floríferas; raramente, se isto chega a ocorrer alguma vez, ele inicia este novo ciclo de evolução aérea como uma das fadas menores como as que foram fotografadas - pois ele é nitidamente superior a elas na escala evolucionária.

    No caso particular que estamos estudando, a idéia parece ser a de trazer o gnomo para um contato com a humanidade tão próximo e constante quanto possível; o deva acrescenta "numa atmosfera onde atuam influências ocultas". Em outras palavras, ele está fazendo uso do fato de sermos estudantes de Teosofia e do elo que todo membro da Sociedade Teosófica tem com a hierarquia oculta que governa o mundo. Ele diz que as mudanças produzidas ocorreram em cerca de quatorze meses, e que ele começou a experiência no início do ano passado. Ele também põe o gnomo em contato freqüente com nosso jardineiro, e vejo que o gnomo o segue por aí e brinca por perto dele enquanto ele trabalha. Ainda que todo o caso tenha um lado nitidamente humorístico, o deva o toma muito seriamente.

    O deva em si é um indivíduo muito reservado e, embora amigável, tende a me considerar como uma parte útil em sua experiência, e mais como um acessório para ela do que como uma pessoa; de seu ponto de vista, toda a vida das fadas do jardim e pomar é afetada em grau considerável pelas vibrações teosóficas provenientes casa; parece que nossas meditações e práticas de cura enviam influências para o jardim, que ajudam a evolução dos reinos elementais. Isto é o motivo de o deva estar interessado em nós e tentar tirar todo o partido possível de nossa presença aqui. Ele é benévolo, embora peculiarmente distante, sendo interessado quase exclusivamente em seu trabalho sobre seu próprio reino da Natureza.

    Toda esta propriedade de trinta e três acres está inclusa em sua esfera de influência, embora não em sua verdadeira aura. Seu método me recorda aquele empregado pelo deva da floresta de Nateby, descrito em Fairies at Work and at Play (Fadas Trabalhando e Brincando). Ele trabalha principalmente de uma posição central no ar sobre a propriedade, em uma altura de onde ele pode convenientemente manter toda a área sob sua influência. Ele a isolou nos níveis mental, astral e etérico, enclausurando-a dentro de "paredes" construídas pelo poder mental. Ele emprega dois métodos: um é derramar uma influência estimulante geral de seu próprio Ego em toda a propriedade, estabelecendo uma condição para as fadas similar à que uma estufa provê para plantas; ele também está em contato com fontes de poder espiritual, das quais ele é um canal para seus irmãos mais jovens. O outro método é por uma expansão de sua própria aura, cujas forças ele permite atuarem em várias partes do jardim e sobre diferentes grupos de espíritos da natureza. Ele é um perito neste trabalho, usando sua aura com a mesma facilidade com que usamos nossos membros; ele facilmente cobre um acre de terreno de cada vez, e aumenta seu brilho e densidade, afetando seja o todo, seja parte dele, à vontade.

    Embora ele trabalhe nos níveis da forma, sua consciência se estende aos mundos sem forma, onde é visto como um Ego de considerável adiantamento. Ele percorre os três planos até o etérico com grande facilidade, mantendo ao mesmo tempo sua atividade no nível Egóico, e seu contato com seus pares e superiores. Ele usa seus veículos com tal liberdade, e é tão obviamente mestre em seu trabalho em cada nível, que não parece possível que o livre fluxo de poder e consciência entre o Ego e a personalidade jamais seja rompido ou ameaçado; nisto ele difere consideravelmente de seus irmãos humanos que, em seu reino, estão fazendo esforços correspondentes. O tremendo impedimento de possuir um corpo físico e de ser parcialmente aprisionado nele se torna muito óbvio nesta comparação, e o excessivo efeito limitante e aprisionador do corpo físico denso é percebido quase dolorosamente. Na consciência dévica não vejo nada que corresponda à dor, desapontamento, depressão, medo, raiva ou desejo; nem há qualquer sinal de tensão, ou daquele intenso esforço que é requerido por nós para sobrepujar a inércia dos planos inferiores; nem ele tem que resistir àqueles apelos da natureza inferior pelos quais o aspirante espiritual humano è freqüentemente assaltado. O conteúdo de sua mente parece ser, primariamente, um intenso interesse intelectual em seu trabalho, que se mostra pelo brilhante amarelo dourado, que é a cor predominante em sua aura, o afeto por aqueles a seu cargo se mostrando como rosa, o interesse em seu progresso e a extrema adaptabilidade se mostrando como verde-maçã com lampejos de verde esmeraldino, tudo irradiado por fortes correntes de um branco vívido e incandescente, que representa o ardor de sua natureza, estimulado e suscitado pelas forças superiores para as quais é um canal.

    Não é fácil estimar seu tamanho, já que varia muito; quando primeiro o vi esta tarde ele havia descido até estar parcialmente dentro da sala, e então ele pareceu ter cerca de dois metros e meio, no que se refere à sua forma verdadeira; mas no ponto a que retornou, tendo liberado as forças áuricas que havia detido temporariamente, ele parece muito maior - talvez três metros e meio, enquanto que sua aura se expande até quase quarenta metros em toda a volta no nível astral, e de vinte e sete a quarenta metros no mental; é mais ou menos ovóide na forma, ainda que sem margens definidas claramente, mas ele pode estendê-la três ou quatro vezes seu tamanho natural, ou fazer que todas as suas forças sejam direcionadas para baixo e para fora para atuarem na área a seu cargo. Ele parece gravitar naturalmente em um ponto cerca de 30 a 40 metros acima do solo. Sou inclinado a pensar por este exame mais detido que ele realmente está interessado em nós, não digo ligado, ao seu modo dévico; pois há um nítido sentimento de seu fraterno reconhecimento de nós, e agora que ele está menos concentrado em seu experimento com o gnomo (que volta e meia ainda fica brincando pela sala), sua formosa e nobre face agora se suaviza em um sorriso; em resposta à minha promessa de ajudá-lo em seu trabalho, de minha maneira humana limitada, ele estende sua mão abençoando, e enche-nos por um momento com sua energia vital.

    CAPÍTULO IV

    Fadas

    Em Cotswolds. Um campo de trevos

    2 de agosto de 1925

    Há um tipo de espírito da natureza aqui que pertence ao verdadeiro tipo da fada, e parece estar intimamente associado com o trevo. Tem forma feminina, usualmente cerca de noventa centímetros de altura, mas capaz de expansão até a estatura humana. Esta faculdade de expansão está sendo exercida em uma medida maior do que eu já observei antes, e é muito freqüentemente usada entre os períodos de "trabalho". Para o propósito de uma descrição mais detalhada, escolhi uma fada que se aproximou de nós e paira com seus pés logo acima dos botões do trevo. A forma é completamente coberta pela fluente túnica áurica; há uma túnica por baixo ou por dentro, verde pálida, de uma textura quase como chiffon, através da qual é vista em certos momentos a mais vaga sugestão de uma forma rosada, quando ocorrem mudanças na direção e forma do fluxo das forças áuricas. Sobre esta túnica interna, e mescladas a ela, há faixas na cor da flor do trevo, as quais, passando através da aura, aparecem sobrepostas ao verde; elas não assumem uma forma permanente, embora sugiram linhas fluindo a partir dos ombros, descendo juntas até a cintura e então se expandindo novamente à medida que fluem para os lados para as porções inferiores da aura.

    Mais uma vez se mostra a capacidade de imitação, pois quando tento fazer uma observação precisa esta fada que descrevo começou a imitar o casaco austríaco que visto, usando a cor malva do trevo para fazer o casaco. Ela é muito destemida e amigável, e "paira" a cerca de um metro e meio de distância, possibilitando-me assim ver claramente que bela criatura ela é. Fluem forças de sua aura de um ponto correspondente ao plexo solar, que parece ser uma parte vital de seu "corpo"; é de cor amarela dourada, e brilha como um sol miniatura; suas radiações parecem finas linhas douradas correndo por toda a aura; partem de ambos os lados do pescoço e fluem até a margem da aura, sugerindo vagamente umas asas. Há um outro centro na cabeça, de cor branca prateada, de onde, também, irradiam-se correntes de forças - principalmente em direção ao espaço acima da cabeça; isto representa a atividade astro-mental, e está constantemente mudando de cor e forma.

    A cabeça é a de uma jovem, cabelos e sobrancelhas castanho-escuros, a face belamente arredondada, de aparência louçã e saudável; o cabelo é usado longo, e flui para trás e para baixo desde a testa, e se dissipa em uma corrente de força áurica; a forma dos membros não é visível através da verde túnica áurica descrita a cima, mas os pés são guarnecidos de botinas delicadamente modeladas que sobem até a coxa, cujas aberturas superiores se estendem como pétalas de uma flor acima dos quadris, que parecem estar envoltos em meias verdes. As pétalas são de um tom de verde levemente mais escuro, e há um toque de amarelo em certas partes, embora sua posição seja mutável. A túnica verde a que me referi antes é muito ampla e frouxa, e sendo de uma textura extremamente diáfana, está em constante movimento, como se soprada continuamente pelo vento ligeiro. Ocasionalmente a forma central se torna inteira e claramente delineada. Sua disposição é jovial e brincalhona. Ela estende ambas as mãos diante de si, como se nos convidando a juntar-se a ela em algum jogo de fadas entre os trevos.

    Agora ela faz gestos de grande beleza que se sucedem com agilidade inexcedível. Posso observar três deles. Ela começa trazendo mãos e braços juntos completamente estendidos para baixo à sua frente, as palmas se tocando, os dedos estendidos. Ambos os braços então fazem um movimento circular para os lados e para cima, pausando por um momento na altura dos ombros e se encontrando novamente bem estendidos acima da cabeça. Mantendo as mãos juntas, ela traz os braços lentamente para baixo, bem estendidos à sua frente até a primeira posição, a partir da qual ela repete o processo. Ela agora reverteu este movimento e acrescentou mais dois raios de círculo através de pausas de uma fração de segundo com os braços abertos a meio caminho entre a horizontal e a vertical. O efeito disto foi o de estimular a atividade do centro do plexo solar em tal grau que toda a aparência de túnica descrita antes desaparece, assim como toda semelhança com a forma humana dos ombros para baixo, deixando só os centros do plexo solar e da cabeça com suas radiações de forças fluentes. Ela vitalizou-se com estes gestos, que constantemente repete, e aos quais está acrescentando outros tão rápidos que é impossível acompanhá-la. Agora ele está estendendo ambos os braços - um para a frente e um para trás - formando assim novamente raios de um círculo em posições a meio caminho entre a horizontal e a vertical; mas enquanto os "raios" do primeiro exercício descrito formavam um disco achatado de frente para o espectador, estes últimos adicionam uma outra dimensão à figura, e dão os diâmetros de uma esfera completa. É interessante notar que as mãos e os dedos são mantidos completamente estendidos e que as linhas de força saem deles até uma distância de cerca de vinte centímetros, aumentando consideravelmente a beleza do efeito. A esta altura ela chegou a um estado de exaltação; ela construiu, pelo movimento de seus braços e mãos, uma esfera completa em torno de si mesma de pouco mais de dois metros e diâmetro, na qual há dois focos - um no plexo solar e um na cabeça - mantendo a mesma posição relativamente entre si e a forma esférica, como os dois focos gêmeos de uma elipse. A face e os braços ainda são discerníveis, mas toda outra sugestão de aparência humana se desfez; há simplesmente um globo de força expansiva, cuja borda é claramente definida. Além desta margem há um cinza perolado tremeluzente que também consiste de linhas de força irradiantes.

    O contato com sua consciência, nesta condição, dá a sensação da mais radiante felicidade, de uma intensidade de prazer muito além de qualquer estado humano normal. Ao contrário dos espíritos da água que, tendo atingido o ápice de exaltação, imediatamente descarregam a força de que estão cheios, ela parece ser capaz de manter este estado. Agora ela está saindo da forma que criou, subindo lentamente para acima dela para um nível superior do plano astral, como que desaparecendo nele, até que a consciência, deixando o brilhante globo flutuar imóvel no ar, escapa e aparentemente retorna para a alma-grupo. A forma ainda permanece vívida, clara e radiante.

    Com o intuito de experiência, dirigi uma corrente de força para dentro da esfera; ele penetrou e passou através dela sem resistência, e sem perturbar a forma, e eu tive a sensação da mesma estabilidade que se acha em um giroscópio. A forma não resiste à passagem da força através dela, mas resiste a qualquer esforço para mudar sua forma ou posição; por exemplo, eu tentei elevá-la no ar sem sucesso.

    Há globos similares a este em diferentes partes do campo, e fadas, como esta descrita, com variações de tamanho, cor do cabelo e compleição. As que de fato estão trabalhando nos trevos mergulham dentro deles, imergindo no duplo astral da plantação, incluindo dentro de si mesmas uma área de 45 a 70 cm. Elas permanecem neste estado por algum tempo, então ressurgem, pairam um pouco no ar, voam para outra parte do campo, e repetem o processo. O campo tem aproximadamente dois acres de extensão, e deve haver pelo menos uma centena de fadas trabalhando nele.

    Um dos efeitos de seus esforços é estimular a consciência astral daquela parte da alma-grupo vegetal que está encarnada neste campo. Parece evidente que quando uma planta atingiu o estágio de florada, a consciência animante está em seu estado mais ativo; então ela é muito responsiva ao estímulo provido pelos membros da hierarquia dévica. Pode-se quase sentir uma espécie de tensão ascendente da consciência da planta em direção à fada naquela área na qual ela está trabalhando, e certamente há um estímulo do processo evolucionário.

    (Dez minutos mais tarde). O globo da fada ainda persiste. No presente eu não vejo na mente da fada qualquer propósito especial para a formação do globo; há, é claro, a alegria criativa natural na produção de um objeto belo. Sem dúvida é dado algum uso a estes globos, embora no momento eu não possa descobrir sua finalidade; talvez eles formem reservatórios de força que gradualmente é descarregada na alma-grupo vegetal.

    Um grupo de fadas agora está dançando em torno do globo particular que estive descrevendo, banhando-se em sua atmosfera radiante e obtendo evidente prazer da contemplação de sua beleza. Elas fizeram um círculo completo em seu redor, e executam evoluções como as de uma dança campestre. Estas, por sua vez, estão produzindo uma forma; à medida que dançam estão construindo uma taça em forma de pétalas, na qual descansa a esfera; as pétalas sobem mais e mais, até que atingem um nível logo acima do topo da esfera, criando uma belíssima forma floral de cerca de 2,5 a 3,5 metros de diâmetro e de 2,5 metros de altura - uma espécie de flor-modelo no plano astral, uma coisa de beleza gloriosa e de proporções perfeitas. À medida que observo, as pétalas crescem ainda mais e gradualmente se fecham acima do globo. A dança e canto das fadas - eu não ouço o som, mas a partir do movimento de suas bocas e expressões de suas faces, presumo que estejam cantando - se tornam mais selvagens, como se o clímax estivesse se aproximando; elas subiram para acima do solo e continuam a circundar a forma que criaram, na altura de quase um metro, com suas cabeças jogadas para trás, seus cabelos esvoaçando, o róseo lustro de seus membros aparecendo à medida que dançam. Suas poses e gestos são belíssimos.

    Durante estas evoluções, seus olhos permanecem intencionalmente fixos nas pétalas, pois para cada uma parece haver uma fada responsável. Elas estão exercitando um poder construtor de formas, em cuja aplicação elas parecem peritas; cada uma mantém intensa concentração, o olhar fixo no ponto mais extremo até onde as pétalas cresceram. Agora as pétalas pendem em curva graciosa para o centro, onde gradualmente se encontram e unem. As fadas subiram até o topo, ainda dançando e cantando, ainda com seus olhos sobre a sua obra; fizeram uma complexa forma floral, não exatamente esférica, mais estreita na base do que no topo, onde é quase plana; sua forma é singularmente bela, e as linhas das pétalas originais, embora agora todas estejam unidas em uma só, ainda são visíveis. Elas elaboraram uma concha envolvente de puro branco iridescente, tinto aqui e ali das cores verde e do cravo; através dela brilha tenuemente o globo que ela contém.

    As fadas rompem seu círculo em um ponto, abrem-se em uma linha, movem-se através do campo para outro globo, em torno do qual iniciam um processo similar. Isto ocorre em diversas partes do campo onde a essência elemental está sendo modelada em formas como a primeira. Assim nascem e assim crescem as "flores" do plano astral.

    Grand Salève, perto de Genebra

    5 de junho de 1925

    Aqui há um tipo de fadas que parece não ter a forma humana usual, mas que, embora possa ser capaz de produzir uma, aparentemente não o faz, contentando-se com uma face e uma cabeça. Ao mesmo tempo, a aura é muito mais densa onde a forma deveria existir, e a atividade ali é muito maior e diferente daquela no resto da aura; esta mostra uma contínua série de mudanças cromáticas, sugerindo uma roda girando rapidamente com faixas de cor levemente curvadas do centro para a circunferência, cruzando-se à medida que giram. Cada faixa parece ter várias cores diferentes, e ter um movimento próprio além do movimento circular geral. O movimento das faixas é um pouco parecido ao abrir e fechar de tesouras, e dá a impressão de um contínuo fluxo de cor para dentro e para fora do centro. Todas as cores do espectro estão presentes em seus tons mais suaves, e a todo momento são produzidas muitas combinações maravilhosas; esta atividade não é somente bidimensional, mas tem um efeito de pelo menos três dimensões.

    Uma fada em particular que estou observando é uma criatura fascinante e charmosa; mais ainda, de modo algum ela é avessa seja à nossa companhia seja ao meu escrutínio. A face semelha à de uma jovem camponesa muito formosa, e está continuamente entretida em sorrir do modo mais cativante. Há grande número destas fadas nas colinas, todas muito parecidas em aspecto, embora variando um pouco em expressão e na cor do cabelo. A variedade de cabelo bem escuro parece ser mais séria, e algumas delas têm uma expressão bastante imperiosa. A compleição é branca, só com um pouco de cor.

    Embora possam subir alto no céu, elas permanecem na maior parte do tempo logo acima do topo das gramíneas longas, ocasionalmente descendo para uma touceira de flores selvagens. Quando o fazem, a forma de fada desaparece, e a aura se expande para incluir a planta, ou touceira, conforme o caso. De certa forma pode-se dizer que elas velam pelas plantam que cuidam, embora também as animem, de modo que elas são duplamente animadas - primeiro pela sua própria vida evoluindo, e segundo pela consciência de longe mais vívida da fada. Enquanto sua aura está assim tão expandida, percebem-se nela certos movimentos rítmicos que sugerem uma respiração. Em alguns casos a aura se estende consideravelmente além da periferia da touceira e então se contrai para um tamanho menor com um ritmo amplo e lento, mas em outros parece ser quase um frêmito, relembrando a rápida movimentação das asas de uma borboleta. Tentando tocar sua consciência enquanto ela fazia aquilo, percebo que sua idéia parece ser aproximar-se do centro da vida formadora da planta. A fada experimenta grande prazer fazendo isto, e tem a sensação de ter derramado algo de sua própria natureza e vitalidade nas flores. Quando termina ela eleva-se no ar e paira em um estado de quietude e semi-repouso, enquanto sua vitalidade é renovada.

    A esta altura consegui entrar mais satisfatoriamente em seu mundo. O ar contém enorme número delas, e indivíduos descem e desempenham as atividades que descrevi, enquanto outros são vistos subindo depois de as terem completado. A altura média a que sobem no ar deve ser algo em torno de 5 a 6,5 metros, embora algumas voem para muito mais alto; nos níveis mais altos há um movimento mais lateral; provavelmente nesta altitude, digamos de 350 metros, é que elas viajam. O panorama é indescritivelmente belo, e sua atmosfera é encantadora. Não consigo ver se elas têm outra ocupação qualquer além destas descritas. Sem dúvida elas estão muito ocupadas neste período do ano. Aquela que descrevi primeiro ainda está perto de nós e, numa inspeção mais minuciosa, percebo levíssimas sugestões de braços, mas não de corpo, pernas ou asas. A porção densa da aura provavelmente tem cerca de 2,2 metros de altura.

    Em Cotswolds

    7 de agosto de 1925

    Tenho estado muito interessado em observar um espírito da natureza que nos tem submetido ao mesmo tipo de escrutinização que estamos acostumados a fazer sobre seu povo.

    Ela é um deva não-individualizado, em um estágio entre a fada e o silfo, possuindo algumas características de ambos.

    Embora ela primeiro aparecesse como que caminhando através da floresta densa, e ainda agora esteja pairando entre os topos dos pinheiros que olhamos, ela não parece estar associada definitivamente com as árvores, certamente não está ligada, para fins de trabalho, com nenhuma árvore ou grupo delas. Imagino que ela seja uma fada de flores que esteja passando adiante para uma vida aérea como a dos silfos, e que o tempo de sua individualização esteja chegando rapidamente. Seu corpo é composto da matéria dos subplanos superiores do astral, muito fina, tênue e bela. A forma e maneiras verdadeiras são as de uma vivaz colegial. Neste momento sua aura se parece muito com nuvens semoventes de cor, através das quais passam continuamente ondas e tremulações de luz em intervalos regulares. Ela já tem uma estabilidade bem maior do que a possuída pelas fadas comuns, e evidentemente é capaz de permanecer relativamente imóvel no ar por um longo período de tempo. Ela vê nossos duplos astro-mentais muito claramente, mas ela precisa alguma concentração maior para ver nossa forma física, e mesmo então sua visão é bem vaga.

    Tentando contatar sua consciência, percebo que ela vê principalmente o duplo astral de todos os objetos do plano físico; uma árvore, por exemplo, aparece para ela como uma escura forma central, que corresponde à forma física, interpenetrada e rodeada de uma pálida luz cinza, que eu presumo ser o duplo-etérico, rodeado por sua vez de uma aura astral violeta, que se estende cerca de 15 cm para além da forma física. Para ela, cada árvore é como um motor, dentro e através do qual a força flui do plano astral, vivificando-a e iluminando-a, mantendo-a viva, no seu ponto de vista; e, é claro, ela está certa; pois sem isso ela não poderia viver. Para ela é como se a árvore estivesse desempenhando, em grau muito maior, uma função similar àquela que atribuímos ao átomo físico. Ela vê na raiz da árvore, logo abaixo no nível do solo, um vórtice dourado de energia, onde a força entra do plano astral, e do qual ela passa para todo o corpo da árvore. Ela não parece saber nada dos processos físicos; de qualquer modo, ela não está interessada neles, estando firmemente convencida de que são secundários em relação aos astrais, e relativamente sem importância. Se eu pudesse colocar suas idéias em nossa linguagem - ela rejeitou minhas referências aos processos físicos dizendo: "É o fluxo de forças vitais que importa". Ela diz que sabe sobre os processos do plano físico mais do que nós, de fato, sabemos sobre o seu lado vida.

    Agora ela está tentando entender o que a posse de uma forma física significa para nós, e o que significaria para ela. Ela exerce uma influência "atrativa" sobre mim, como se tentasse saber se poderia deslocar meu corpo. Assim ela atrai e puxa a frente dos meus corpos astral e mental até que toquem os seus - estando ela a uns doze metros de distância - mas ela poderia tentar quanto quisesse, pois não pode exercer nenhuma impressão real sobre o corpo físico denso. Sua consciência, em relação ao movimento, é completamente preenchida com a idéia de resposta instantânea que a matéria dos planos mais sutis sempre dá a um ato da vontade; de fato, isto ocorre muito mais no deva do que no humano, pois a matéria de seus corpos sutis parece ser mais vitalizada e elétrica do que a dos nossos. Ela descobriu isso tocando minha aura, que lhe pareceu pesada. Ela mantém uma porção dela em contato consigo mesma, e a examina como faríamos com uma peça de tecido. Tentando unir nossas mentes em alguma extensão, consegui fazer com que ela sentisse a inércia do corpo físico. Ela é muito maior para a sua consciência do que para a minha; para ela a sensação é como a que teríamos se tivéssemos um corpo de chumbo.

    Agora ela está se agitando no etérico tentando produzir movimento, e estou ajudando-a a manter um contato com o corpo físico denso tão próximo quanto possível. Por um momento ela sente uma angústia de pânico, e então uma sensação de estar sendo enterrada viva, de desesperado aprisionamento; ela faz enormes esforços para elevar o corpo físico no ar, e isto tem o efeito de esticar o duplo-etérico do corpo e enchê-lo de luz; também faz o físico sentir-se um pouco mais leve, produzindo a curiosa consciência, que se tem às vezes em sonho, de que apenas um pouquinho mais de esforço nos faria flutuar. Neste contato muito íntimo com ela me parece estar como que afrouxando a associação com meu corpo e perdendo a coesão de seus átomos. Eu pensaria que um poderoso deva individualizado poderia transmutar o corpo físico em uma espécie de contraparte astral - talvez seja isso o que acontece nos desaparecimentos. Ela se afastou de novo, e evidentemente foi profundamente afetada pela experiência. Entre as muitas sensações que isso produziu nela está a de espanto, de que possamos suportar perpetuamente este aprisionamento. Ela não parece saber nada sobre a vida e morte, ou mesmo sobre a liberdade durante o sono; eu tentei explicar estas coisas para ela. Nossa vida parece irremediavelmente complexa, e ela não pode entender como pudemos escolhê-la em vez da simples existência dévica - pois eles não dão a ênfase indevida sobre a "forma" como nós fazemos. Ela diz: "Ser incapaz de correr livre pelo ar, saltar à distância, disparar através de um vale, e ter de arrastar tão pesada e lentamente um corpo tão rude é pior do que a não-existência". Julgando a partir do seu presente estado mental, não parece ser provável que ela seja uma das que se transferirão do reino dévico para o humano, mas devo admitir que para mim o inverso é muito tentador.

    Agora recém tentei dar-lhe uma idéia sobre os Mestres; ela, traduzindo a idéia para o seu próprio reino, pensou em algum tipo de superdeva, algum arcanjo líder de cuja existência ela parece estar consciente. Neste momento o deva do vale apareceu por trás dela, sorrindo, maravilhoso, em toda sua radiosa beleza, e envolveu-a em sua aura, levando-a para perto de seu lado esquerdo. Isto a encheu de grande felicidade e de um senso de exaltação. Ela ficou ali só por um momento e disparou para longe, exaltada pelo contato, correndo livre como uma criatura das selvas. A relação entre eles parece assemelhar-se muito à existente entre discípulo e Mestre no reino humano.

    Na mente do deva do vale parece existir um claro conhecimento das etapas evolucionárias pelas quais passa seu reino, e antes imagino que tenha sido ele quem colocou a fada e eu em contato, talvez para educação mútua. Ele também é consciente de haver superiores, da ordem hierárquica de sua raça. Uma tentativa de entender sua concepção elevou minha consciência para os espaços extraterrestres. Hesito em descrever a visão que se seguiu porque traduzi-la parece materializá-la e rebaixá-la demais.

    Vejo uma longa mesa coberta por uma toalha de luz brilhante, no centro da qual existe uma cruz. Em ambas as extremidades estão sentados grandes seres espirituais da ordem dévica. De cada extremidade parte uma linha de devas, subindo cada vez mais nos céus até que se perdem e só permanece um deslumbrante esplendor, uma radiância inefável; da mesa ascendem degraus, e os devas sobem e descem por eles. Do centro da visão há um contínuo jorro de poder, em onda após onda de cores delicadas, mas vívidas; em dourado e rosa, flui para fora e para baixo, emprestando a toda a cena uma efulgência e um esplendor que estão completamente além dos meus poderes de expressão.

    CAPÍTULO V

    O Trabalho dos Espíritos da Natureza

    Durante uma caminhada na Floresta Epping encontramos o toco de uma árvore que havia sido cortada, e de cujos lados cresciam novos rebentos. Uma tentativa de entender os processos mostrou que cada rebento róseo estava conectado a um espírito da natureza, que em alguma medida era responsável por ele, e que agia como um dos elos finais em uma cadeia de consciência que subia até o deva responsável pelo reino vegetal; este espírito da natureza era mais como uma abelha do que como uma fada, e ele literalmente zumbiu em minha direção quando eu me aproximei mais dos rebentos.

    Quando a árvore foi cortada, a maior parte da consciência retirou-se, embora, devido ao fato de que a raiz deixada sob o solo ainda estava viva, alguma porção foi deixada permanecer. O toco de uma árvore não é um meio particularmente responsivo, mas quando, na devida estação, os sensíveis rebentos novos apareceram, eles forneceram um meio de expressão e expansão para a vida residente; embora a consciência vegetal em evolução penetre em cada célula, existe ainda um centro astro-etérico no meio do toco, logo abaixo do nível do solo, onde as raízes começam a se projetar, e que se parece como um globo de luz amarela, de 10 a 15 cm de diâmetro; correntes fluem para fora dele, dando a impressão de uma grande flor dourada com pétalas afiladas arranjadas em círculos concêntricos, ficando sua cor cada vez mais pálida à medida que aumenta a distância do centro.

    No coração desta "flor" a força está constantemente emergindo do astral para o etérico, formando um vórtex que emite uma vibração etérica; isto produz "som", que é formador, e em grande medida governa a forma de qualquer crescimento que ocorre debaixo de sua influência.

    Por uma curiosa operação da Natureza, quando esta vibração contatou minha aura, produziu nela uma forma arbórea miniatura, o arquétipo da árvore.

    Aparentemente um processo semelhante a este ocorre na consciência dos devas construtores de todos os graus; cada um, de acordo com sua capacidade e desenvolvimento, obtém deste modo uma compreensão do trabalho que tem de ser feito, tanto em cor como em forma; nas ordens inferiores de espíritos da natureza este processo é quase inteiramente instintivo, e provavelmente só é autoconsciente no deva individualizado. À medida que prossegue o crescimento, mais e mais da consciência do vegetal é expressa, de modo que as vibrações do centro se tornam mais complexas; novas "notas" são acrescentadas, cada uma chamando o espírito da natureza construtor adequado, vivificando o tipo de matéria que lhe corresponde, e produzindo a forma na qual aquela matéria deve ser construída.

    A amplitude vibratória deste centro de vida particular tem pelo menos 4 metros em todas as direções, e assim é formada uma esfera especializada na qual as várias ordens de construtores envolvidos - chamados ao local pela "nota" que é a nota-chave de sua própria existência - encontram condições que são perfeitas para o trabalho que eles têm de fazer. Entrando na esfera, os construtores se materializam até o nível etérico no qual o trabalho deve ser feito, absorvem o material que está vibrando em sua própria freqüência e, tendo-o especializado pelo contato consigo mesmos, descarregam-no no molde ou fôrma etérica, que é a expressão da vibração.

    Através destes meios, e destes agentes, o crescimento gradual da árvore tem lugar.

    Sobre as Funções do Espírito da Árvore

    Uma árvore pode ser considerada tendo uma alma, porque uma porção da onda vital proveniente da mônada a penetra (Vide A Study in Consciousness, de A. Besant) e evolui através de sua encarnação nela; sua evolução é estimulada quando um espírito da natureza se encarrega de uma árvore (Vide Fairies at Work and at Play, de G. Hodson). O primeiro efeito é o estímulo da responsividade na consciência sonhadora da árvore. As brilhantes coruscações da aura do espírito da natureza atuam continuamente sobre a consciência da árvore, forçando-a, no curso do tempo, a uma tosca e fraca reprodução dentro de si mesma destas vibrações. A verdadeira sensibilidade da árvore física a impactos externos aumenta, e com isso aumenta a resposta da sua consciência a estes impactos.

    O espírito da natureza, sendo muito mais evoluído, parece também agir como elo, ou canal, para energias de níveis superiores de consciência, e assim preenche uma função que é um pálido reflexo daquilo que o Ego é no homem, ou seja, uma lente, um foco, ou canal, entre o espírito e a matéria. Isto é possível para o espírito da natureza porque ele já adquiriu considerável medida de autoconsciência desperta, que é o fator essencial.

    Pode ser dito que cada alma-grupo vegetal está sob responsabilidade de um deva avançado, sob quem atuam os espíritos da natureza. Este sistema hierárquico está em operação em todo o esquema de evolução dévica até as fadas e os construtores de formas que atuam no reino vegetal, estando o todo sob o controle do deva da alma-grupo. Ele, por sua vez, serve e obedece a algum grande arcanjo de nosso reino vegetal terráqueo, o qual, conhecendo o plano na mente do Logos, transmite suas instruções através do vários graus, até mesmo às menores criaturas etéricas que constróem e animam a estrutura material.

    Pode ser que o trabalho do espírito da natureza sobre uma árvore por um longo período de tempo seja um sacrifício, e constitua um meio de evolução mais rápido, uma senda de serviço, de fato. Este, como todo verdadeiro sacrifício, não causa nenhuma dor real, embora um senso de limitação possa estar presente nos planos inferiores. Passando a residir em uma árvore, o espírito da natureza parece unir-se a toda a vida celular da árvore, tornando assim homogêneo o que era antes heterogêneo; pode, portanto, ser considerado como uma expressão da alma da árvore, embora ao mesmo tempo seja uma entidade separada.

    Disto veremos quão íntima é a relação entre espírito da natureza e árvore, e como a evolução de ambos é acelerada por esta estreita 'função Pitri' (Vide The Building of the Cosmos, de A. Besant) [Pitri, pai, antepassado; há várias classes de Pitris; aqui o autor mais provavelmente se refere aos "Pitris lunares", os progenitores ou formadores dos princípios inferiores - duplo etérico, prana, corpo astral e manas inferior - utilizados pelo homem verdadeiro, a Mônada reencarnante, em sua evolução - fonte: Dicionário Teosófico, de H.P.Blavatsky - NT]. Possivelmente por ocasião da morte de uma árvore destas, seja pela sua idade ou pelo machado humano, o espírito da natureza, livre de sua associação, carrega consigo os resultados evolucionários da vida da árvore e fornece condições nas quais um processo de gestação pode ter lugar, debilmente correspondendo àqueles da consciência devachânica e causal humanas. Se o produto final da experiência é difundido através de toda a alma-grupo vegetal ou é conservado, e reencarna com o mesmo espírito da natureza em serviço, não sou capaz de dizer, embora eu imagine que a última opção seja uma possibilidade nos casos de consciência vegetal altamente avançada. Admiraria se um espírito da natureza pudesse não querer acompanhar a alma-embrião até completamente dentro do reino animal, e mesmo até o humano. Não sabemos o quão longe nossa relação com o reino dos espíritos da natureza pode ser traçada.

    CAPÍTULO VI

    Brownies e Mannikins

    Petit Salève, perto de Genebra

    1° de junho de 1925

    Os brownies por aqui se vestem de cores muito mais vivas do que quaisquer outros que eu tenha visto na Inglaterra. Há grande número deles nas colinas, e sua maioria usa chapéus violáceos brilhantes, de formas variadas, um leve casaquinho e calças de couro marrom-avermelhado; suas faces são largas; todos têm barba, e têm pequenos olhos negros e redondos. Seus corpos são bastante baixos e largos, e suas pernas, onde deixam o tronco, são muito separadas. Eles têm grandes mãos rústicas e vozes muito guturais.

    À medida que observo vejo um pequeno grupo deles subir a encosta; alguns carregam mochilas com alças sobre seus ombros; outros, pequenos bastões com empunhaduras muito polidas; em alguns casos estes são carregados atravessados na cinta, em outros, na mão direita. Neste grupo existem de trinta a quarenta indivíduos, e sobem a colina muito lentamente e ao que parece com algum esforço. Eles conversam entre si em vozes graves e guturais, como os operários a caminho de seus ofícios, e podem ser notadas distintas variações de caráter entre eles. Não são todos rudes - alguns são bem joviais, e um deles se afastou do grupo e se aproximou de nós. Ele pára entre 7 a 10 metros longe, com as pernas muito abertas, mãos nos quadris, e olha para nós com a face brilhando de um bom-humor que é misturado a um pouco de orgulho, como se ele dissesse: "Estou aqui; olhe bem para mim. Não sou um sujeito maravilhoso?" Ele estende sua mão direita e aponta para as colinas e campos além, como se dizendo: "Tudo isso é meu; não é um lar esplêndido?" Pedi-lhe que viesse mais perto, e ele achegou-se até a distância de uns dois metros, mas no momento em que nossas emanações astrais começaram a tocá-lo ele perdeu toda sua autoconfiança, sua forma começou a perder definição, toda sua jovialidade desapareceu, ele ficou confuso, e começou a perder seu senso de identidade pessoal. Ele deu um passo para trás e correu para longe, reunindo-se ao grupo, que agora havia passado para o topo da colina. Este indivíduo não tinha chapéu e usava um avental como o dos ferreiros, preso por um cinto firmemente afivelado, no qual pequenas ferramentas de ferreiro podiam ser vistas. Eu pude distinguir um fino par de pinças e um pequeno martelo.

    Agora ele voltou, tendo recobrado sua compostura, e, estando parcialmente atrás de uma moita, olha para nós jocosamente, mas com muito menos segurança. As ousadas bravatas que o caracterizavam de início haviam desvanecido completamente; antes ele agia por motivos um tanto quanto orgulhosos, e quis mostrar-se alheio a nós, mas agora ele retorna curioso e com certo sentimento de atração para conosco. É interessante notar que a cinta e as ferramentas perderam sua definição, seu perfil mal é discernível em meio a uma massa do material bruto com que foram criadas e que ainda é visível, aderindo a ele no local onde estavam as ferramentas.

    À medida que o observo percebo que sua autoconfiança está rapidamente voltando; ele começa a sentir-se mais seguro de si mesmo, e passou para a frente da moita; uma vez mais ele se aproxima, mas não tão perto como da primeira vez; ele tem a mesma altura dos capins altos, isto é, cerca de 50 cm.

    Para minha surpresa ele subitamente começa a cantar; ele tem uma profunda voz de barítono e sua canção consiste na repetição das sílabas "Ho, ro, ro, ro", e parece ser expressiva das alegrias da existência brownie; neste nível ela reflete bastante o mesmo sentimento da canção A Life in the Ocean Wave; de fato, lembrei-me imediatamente dela. Há só quatro notas - sol, mi, dó e lá - mas elas são repetidas na escala descendente na mesma relação entre si, variando a duração a cada repetição. Ele gesticula com a mão enquanto canta, apontando para diferentes aspectos do cenário. Uma tentativa de unir minha consciência com a sua mostrou-me que ele de fato não pode ver nada além do vale que separa o Grand Salève do Petit Salève; de fato, toda sua concepção da paisagem é limitada, e os capins o limitam muito; mas ele tem um forte senso de direção e parece estabelecer uma espécie de sintonia com o lugar para onde está indo.

    Agora ele desapareceu, mas um grupo de outros homenzinhos está nos olhando com uma espécie de tímida curiosidade. Eles pertencem a uma família diferente. Eles têm rostos viçosos e jovens e são menores e mais magros do que os brownies, de modo que devem ser classificados entre os mannikins. Eles usam casaquinhos verdes debruados de amarelo, que pendem frouxos sobre os quadris. Eles pertencem a uma ordem de desenvolvimento inferior à dos brownies, sendo muito menos autoconscientes. Este povinho vive entre os capins e têm apenas 15 cm de altura. Eles se movem a esmo entre as raízes, e também fazem vôos curtos. Eles parecem ser intimamente associados e inseparáveis da grama - quase como se fossem, de fato, seu lado-vida tornado objetivo. Seria interessante saber o que lhes sucede quando o feno é cortado. Eu diria que eles desaparecem da existência objetiva até que o capim volte a crescer.

    Estamos recostados contra um muro de pedra construído no flanco da colina para evitar deslizamentos. Sobre o topo um grupo de brownies nos espia, e nós parecemos causar-lhes boa dose de excitação. Há mesmo um frêmito entre suas fileiras. Um velho cavalheiro é particularmente ousado e parece ter um corpo desusadamente bem talhado e estável, pois embora ele esteja imediatamente acima e atrás de nossas cabeças, ele parece ser capaz de manter seu equilíbrio sem muita dificuldade. Ele tem uma face corada e animada, com uma velha barba cinza e fica passando informações sobre nós para os membros mais temerosos do grupo atrás dele. Alguns nem arriscam se aproximar da borda, enquanto que outros apenas espiam e saltam para trás rapidamente. À medida que eu descrevo isso o número deles vai aumentando, até que se junta uma pequena multidão no pequeno platô acima de nós; eles parecem estar fazendo uma espécie de concílio, como que esperando o retorno daquele que continua nos observando mais de perto. Agora vejo que o "barba-cinza" é aquele que percebi ser o líder do bando quando eu antes os vi subindo a colina. Ele usa um longo casaco marrom que lhe chega aos pés. Parece mais velho do que os outros, e indubitavelmente é superior, tanto em inteligência como em autocontrole, a todos os demais, e eles parecem reconhecer sua liderança. Ele tem uma vaga idéia da existência de graus em sua ordem, e sabe que é responsável por cumprir as vontades de um superior, e liderando uma tribo sua vida é em geral mais autoconsciente e menos instintiva do que a dos outros. Ao mesmo tempo ele é muito infantil; adotou o ar de grande superioridade (como o que é costumeiro entre estes seres superiores, ou seja, nós mesmos!), e a atitude de alguém a quem se deve alguma homenagem, como resultado de sua habilidade de olhar francamente para nós. Ele não parece ter consciência da diferença de sexo; ao mesmo tempo em que ele percebe que minha esposa difere de mim, isto é, que seu cabelo é longo e cacheado, ele não pode entender que nós, pertencendo obviamente à mesma tribo, tenhamos tamanha diferença de aspecto. Minha camisa e blusão caqui estão dentro de sua compreensão, não sendo muito diferentes do que ele está acostumado, mas o vestido de minha mulher é algo novo e completamente estranho em sua experiência. Nosso grande tamanho também o enche de admiração, e é evidente que embora haja casas e fazendas espalhadas pelo vale abaixo, ele jamais teve uma concepção clara do gênero humano. Ele talvez estivesse vagamente a par de sua existência, associando-o ao lugar em que acontece de encontrá-lo, e considerando aquele lugar agradável ou não, vendo vagamente algo grande, mas não o dissociando do lugar. Sua experiência atual está-lhe causando uma decidida excitação, e seu corpinho treme com a tensão do contato próximo que ele enfim está começando a considerar demasiado para ele; isso lhe deu uma perspectiva muito ampliada, e ele jamais será o mesmo novamente. Ele me lembra o ser humano que teve uma grande visão que jamais pode esquecer, e parece provável que logo ele se libertará da limitação da existência brownie e entrará em um estado onde encontrará campos mais vastos de consciência.


    ASSOCIADO: CLIQUE AQUI PARA LER A ÍNTEGRA DESTE TEXTO.

    VISITANTE: ASSOCIE-SE PARA TER PLENO ACESSO AO ARTIGO.


    PESQUISAR EM LEVIR.COM.BR

    GLOSSÁRIO
    TEOSÓFICO
    HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS
    WWW.LEVIR.COM.BR © 1996-2018 - LOJA ESOTÉRICA VIRTUAL - FALE CONOSCO: levir@levir.com.br - whatsapp: 11-984754717