LEVI.COM.BR - PAG.PRINCIPAL
CLIQUE AQUI PARA SE ASSOCIAR!
CLIQUE
AQUI
PARA SE
ASSOCIAR!
HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS



A ESOTERICA.FM É PATROCINADA
PELOS ASSOCIADOS DA LEVIR

  • ESOTERICA.FM
  • TEOSOFIA
  • PALESTRAS
  • LIVRARIA
  • ASTROLOGIA
  • NUMEROLOGIA
  • MAÇONARIA
  • CRISTIANISMO
  • TELEMENSAGENS
  • TEXTOS EM INGLÊS
  • MEMBROS
  • INDIQUE-NOS
  • FALE CONOSCO

    LIVROS
    RECOMENDADOS

    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO APRENDIZ E SEUS MISTÉRIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PEQUENO LIVRO DA FRANCO-MAÇONARIA (O)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    MAÇONARIA SIMBÓLICA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LEIS DO CAMINHO ESPIRITUAL




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO MESTRE ELEITO DOS NOVE




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ÍSIS SEM VÉU - VOL. III




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE,A




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCULTURA À LUZ DO OCULTISMO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    DOUTRINA SECRETA (A) (VOL. II)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    YOGA - A ARTE DA INTEGRAÇÃO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    A VOZ DO SILêNCIO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VIVÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE,A




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VOCÊ COLHE O QUE PLANTA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCONHECIMENTO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    SIMBÓLICA MAÇÔNICA (A)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PÉROLAS DE SABEDORIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AS CAUSAS DA MISéRIA E SUA SUPERAçãO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - OS ENSINAMENTOS ESOTÉRICOS DE JESUS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    SECRETÁRIO ÍNTIMO, PREBOSTE E JUIZ, INTENDENTE DOS EDIFÍCIOS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    A CIÊNCIA DA MEDITAÇÃO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O INTERESSE HUMANO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ALEGRIA E TRIUNFO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O PLANO ASTRAL




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VISÃO ESPIRITUAL RELAÇÃO HOMEM/MULHER




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    DOUTRINA SECRETA (A) (VOL. III)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    O MILAGRE DO NASCIMENTO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    OCULTISMO E PSEUDO-OCULTISMO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCONHECIMENTO





    VEJA A
    RELAÇÃO
    COMPLETA
    DE LIVROS



    FALE CONOSCO!


    INDIQUE ESTA PÁGINAINDIQUE AQUI
    Indique Esta Página para seus amigos!

  • Panfletos de Adyar n° 90

    O Conde de Saint-Germain e H.P.B.

    Dois Mensageiros da Loja Branca 

    H.S.Olcott 


    Reimpresso de The Theosophist
    Julho de 1905

    Theosophical Publising House, Adyar, Chennai (Madras), Índia

    Junho de 1918



    LOJA TEOSÓFICA VIRTUAL

    Para mim, uma das figuras mais pitorescas, impressionantes e admiráveis na história moderna é o fazedor de maravilhas cujo nome intitula este artigo. O mundo não o vê como um recluso do deserto ou da selva, sujo, encarquilhado, cabeludo e vestido com farrapos, vivendo à parte de seus semelhantes e desprovido de simpatias humanas; mas como alguém que entre o esplendor das mais brilhantes cortes européias igualou-se aos maiores personagens que se movem no painel da história. Ele sobressaiu-se acima de todos eles - reis, nobres, filósofos, estadistas e homens de letras, na majestade de seu caráter pessoal, na nobreza de seus ideais e motivos, na consistência de seus atos e na profundidade de seu conhecimento, não só dos mistérios da Natureza, mas também da literatura de todos os povos e épocas. Lendo tudo o que eu pude encontrar sobre ele, incluindo os instrutivos artigos da Srª Cooper-Oakley no Theosophical Review (vols. 21 e 22), passei a amá-lo e também admirá-lo; amá-lo como amava H.P.B. [Helena Petrovna Blavatsky]; e pela mesma razão - pois ele foi um mensageiro e agente da Loja Branca, cumprindo sua missão com altruística lealdade e fazendo para beneficiar os outros tudo o que cabe dentro do poder humano.

    A recente leitura de uma memória biográfica sob a forma de um romance histórico, do famoso Souvenirs do Barão de Gleichen; de um interessante artigo no volume 6 do Le Lotus Bleu; do artigo sobre o Conde na Encyclopaedia Britannica, e noutras publicações, reavivou todas as minhas lembranças do que eu ouvira sobre ele, e, mais importante ainda, persuadiu-me de sua identidade com um dos mais encantadores dos Personagens Invisíveis que permaneceram por trás da máscara de H.P.B. durante a escrita de Ísis sem Véu. Quanto mais eu penso nisso, mais completamente me convenço da verdade desta suposição.

    Antes de entrar nesses detalhes, contudo, será bom simplesmente dizer que um dia, no século XVIII, ele apareceu na França sob o nome mencionado acima. É dito que ele o havia tomado de uma propriedade comprada por ele no Tirol. A Srª Cooper-Oakley dá, baseada na autoridade da Srª. d-Adhémar, uma lista dos diferentes nomes sob os quais este fazedor de época foi conhecido, desde o ano 1710 até 1822. Cito os seguintes: Marquês de Montferrat, Conde Bellamare, Cavaleiro Schoening, Cavaleiro Weldon, Conde Soltikoff, Conde Tzarogy, Príncipe Ragoczy, e finalmente, Saint-Germain. A Srªa Oakley, com a ajuda de amigos, procedeu a uma industriosa pesquisa nas bibliotecas do Museu Britânico e noutras de diversos reinos europeus. Ela pacientemente reuniu, de várias fontes, fragmentos de história que identificariam o grande Conde com os personagens conhecidos sob estes diferentes títulos. Mas é aceito por todos os que escreveram sobre ele que o verdadeiro segredo de seu nascimento e sua nacionalidade jamais foi descoberto; todas as diligências das autoridades policiais de diferentes países resultaram somente em fracasso. Um outro fato de grande interesse é o de que nenhum crime nem intenção criminosa nem fraude jamais foram provados contra ele; seu caráter era inatacável, seus propósitos, sempre nobres. Embora vivendo no luxo e parecendo possuir uma riqueza inesgotável, ninguém jamais pôde saber de onde vinha seu dinheiro; ele não mantinha contas em banco, não recebia ordens de pagamento, não desfrutava de pensão de nenhum governo, recusou todas as ofertas de presentes e benefícios feitas a ele pelo Rei Luís XV e por outros soberanos, mas ainda assim sua generosidade era principesca. Aos pobres e miseráveis, aos doentes e oprimidos, ele era uma encarnação da Providência; entre outros benefícios públicos, fundou um hospital em Paris, e possivelmente outros em outros lugares.

    Grim, em sua celebrada Correspondance Littéraire, que é descrita pela Britannica como "o mais valioso registro remanescente de algum período literário de importância", afirma que Saint-Germain era "o homem mais ilustrado que ele jamais vira". Ele conhecia todas as línguas, toda a história, toda a ciência transcendental; não aceitava presentes ou patrocínios, e recusava todas as ofertas disto, dava prodigamente, fundou hospitais, e trabalhava sempre, e sempre arduamente, pelo benefício da raça. Alguém poderia pensar que um homem como este poderia ter sido poupado pelo maledicente e pelo caluniador, mas não foi; enquanto ainda vivia e desde sua morte (ou antes desaparecimento) os mais reles insultos têm chovido sobre sua memória. Diz a Britannica que ele foi "um célebre aventureiro do século XVIII que assegurando ter descoberto alguns segredos extraordinários da natureza exerceu considerável influência em diversas Cortes européias. (...) Era dito comumente que ele obtinha seu dinheiro desempenhando as funções de espião para uma das Cortes européias".

    A mesmíssima opinião sobre ele é ecoada por Bouilferet em seu Dictionnaire d-Histoire et de Geographie, e por diversos outros escritores.

    Temos várias descrições da aparência pessoal do Conde de Saint-Germain, e embora elas difiram um pouco nos detalhes, todas o descrevem como um homem de saúde radiante, e de inalterável cortesia e bom-humor. Suas maneiras eram a perfeição do refinamento e da graça. Ele parece ter sido um lingüista notável, falando fluentemente e usualmente sem sotaque estrangeiro as línguas correntes da Europa. Um escritor, assinando-se Jean Léclaireur, diz em um interessante artigo sobre O Segredo do Conde de Saint-Germain, no Lotus Bleu, vol. VI, 314-319, que ele estava familiarizado com o francês, inglês, italiano, espanhol, português, alemão, russo, dinamarquês, sueco e muitos dialetos orientais. Sua maestria nestes últimos fornece um dos pontos de semelhança que são tão extraordinários entre ele e H.P.B., pois Sua Alteza, o falecido Príncipe Emil de Sayn-Wittgenstein, Adido do Corpo Diplomático junto ao Imperador Nicolau e um antigo membro de nossa Sociedade, uma vez escreveu-me que quando ele conheceu H.P.B. em Tiflis, ela era famosa por sua habilidade de falar a maioria das línguas do Cáucaso - geórgio, mingreliano, abásio, etc, enquanto que nós mesmos a temos visto produzir literatura de qualidade superior em russo, francês e inglês. Mas quanto mais se lê sobre Saint-Germain e se conhece sobre H.P.B., mais numerosas e notáveis são as semelhanças entre os dois grandes ocultistas. A Srª Cooper-Oakley em sua cuidadosa compilação diz (Theosophical Review, vol. XXI, p. 428): "Era consenso quase universal que ele tinha uma graça e cortesia de maneiras encantadoras. Ele apresentava em sociedade, além disso, uma grande variedade de dons, tocava vários instrumentos musicais excelentemente, e às vezes demonstrava faculdades e poderes que beiravam o misterioso e o incompreensível. Por exemplo, um dia ele lhe tinha ditado os primeiros vinte versos de um poema, e os escreveu simultaneamente com ambas as mãos em duas folhas separadas de papel - e ninguém presente poderia distinguir uma folha da outra".

    O Sr. Léclaireur, no artigo supracitado, sumarizou muitos pontos sobre o Conde de Saint-Germain que corroboram a citação e parecem ter sido cuidadosamente compilados da literatura sobre o assunto. Ele diz que "sua beleza era notável e suas maneiras esplêndidas; ele tinha um extraordinário talento para a elocução, uma educação e erudição maravilhosas. (...) Músico completo, ele tocava todos os instrumentos, mas agradava-o mais o violino; ele o fazia soar tão divinamente que duas pessoas que ouviram a ele e depois ao afamado mestre italiano Paganini colocaram ambos no mesmo nível". Aqui lembramos a soberba facilidade de H.P.B. como pianista, seu toque ligeiro, sua capacidade improvisativa e seu conhecimento da técnica. O Barão Gleichen cita-o dizendo assim: "Vocês não sabem do que estão falando; só eu posso discutir este assunto, o qual já esgotei, como o fiz com a música, que abandonei porque nela não podia ir mais além". O Barão foi convidado à sua casa com o objetivo declarado de examinar algumas pinturas muito valiosas, e o Barão diz que "ele manteve a palavra, pois as pinturas que ele me mostrou tinham o caráter de singularidade ou de perfeição, que as fazia mais interessantes que muitas das pinturas de primeira linha, especialmente uma Sagrada Família, de Murillo, que igualava em beleza a de Rafael em Versalhes; mas ele me mostrou muito mais que isso, a saber: uma quantidade de gemas, especialmente diamantes, de cores, tamanho e perfeição surpreendentes. Eu pensei que estava contemplando os tesouros de Aladim. Dentre outras havia uma opala de tamanho monstruoso e uma safira branca tão grande quanto um ovo, que empalideceu todas as gemas que eu coloquei ao lado para comparar. Suponho ser um conhecedor de jóias, e declaro que o olho não poderia descobrir a menor razão para duvidar da qualidade destas pedras, ainda mais que não estavam engastadas".

    Muitos anos atrás minha irmã, Srª. Mitchell, sentindo-se indignada pelas calúnias baixas que estavam circulando contra H.P.B. e mim mesmo, e desejando deixar registrado um relato de alguns dos fatos que foram observados por ela própria enquanto ocupava, com seu marido e filhos, um apartamento no mesmo edifício que o nosso, publicou em um jornal londrino um artigo no qual citava, entre outros, o seguinte incidente: "Um dia ela disse que me mostraria algumas coisas belas, e indo até uma pequena escrivaninha que ficava debaixo de uma das janelas, pegou dela muitas peças de soberba joalheria; broches, pregadores, braceletes e anéis, que estavam cravejados com todos os tipos de pedras preciosas, diamantes, rubis, safiras, etc. Eu as peguei e examinei, mas pedindo para vê-las no dia seguinte só encontrei gavetas vazias". Minha irmã pensou que elas deviam valer bem muitos milhares de dólares. Mas como aconteceu de eu saber que H.P.B. não tinha nenhuma coleção de pedras preciosas como esta, nem mesmo uma pequena parte delas, minha única inferência possível é a de que ela havia forjado para a visão de minha irmã uma daquelas ilusões ópticas que ela descrevia como truques psicológicos. Sou inclinado a acreditar que Saint-Germain fez o mesmo com o Barão Gleichen. Na verdade, estes fazedores de maravilhas podem ao bel prazer transformar uma ilusão em realidade e fazer as pedras sólidas e permanentes. Tomemos por exemplo meu "anel da rosa" (vide O.D.L., I, 96) que ela primeiro fez surgir a partir de uma rosa que eu segurava na mão, e, dezoito meses mais tarde, quando minha irmã o usava, fez com que três pequenos diamantes aparecessem engastados no ouro, em forma de triângulo. Muitas pessoas em diferentes países viram este anel, e algumas me viram escrever com ele sobre vidro, provando assim que as pedras são diamantes genuínos. O anel ainda está em meu poder, e durante estes trinta anos não mudou em nada suas características. Além disso, há os casos de sua duplicação de um diamante amarelo para o Sr. Sinnett em Simla, de safiras para a Srª. Carmichael e outros amigos de diversos lugares, sua produção do seu místico anel de sinete, agora de posse da Srª. Besant, ao esfregar entre suas mãos meu próprio anel de sinete gravado; e as híbridas pinças para cubos de açúcar de prata, e, primeiro e último, muitos artigos de metal e pedra que, tendo sido devidamente descritos em meu O.D.L., não precisam ser recapitulados aqui. O leitor verá que os respectivos fenômenos de Saint-Germain e H.P.B. complementam-se e se corroboram mutuamente, e demonstram que entre os ramos da ciência oculta que são familiares aos adeptos e seus discípulos avançados deve ser incluído um conhecimento íntimo e controle do reino mineral. Saint-Germain contou a alguém que ele havia aprendido de um velho Brâmane hindu como "reviver" o carbono puro, isto é, como transmutá-lo em diamante; e Kenneth Mackenzie é citado como dizendo (na sua Royal Masonic Cyclopaedia, p. 644): "Em 1780, durante sua visita ao embaixador francês em Haia, ele despedaçou com um martelo um soberbo diamante que havia produzido por meios alquímicos; uma pedra gêmea desta, também feita por ele, vendeu-a a um joalheiro pelo preço de 5.500 luíses de ouro".


    ASSOCIADO: CLIQUE AQUI PARA LER A ÍNTEGRA DESTE TEXTO.

    VISITANTE: ASSOCIE-SE PARA TER PLENO ACESSO AO ARTIGO.


    PESQUISAR EM LEVIR.COM.BR

    GLOSSÁRIO
    TEOSÓFICO
    HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS
    WWW.LEVIR.COM.BR © 1996-2018 - LOJA ESOTÉRICA VIRTUAL - FALE CONOSCO: levir@levir.com.br - whatsapp: 11-984754717