LEVI.COM.BR - PAG.PRINCIPAL
CLIQUE AQUI PARA SE ASSOCIAR!
CLIQUE
AQUI
PARA SE
ASSOCIAR!
HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS



A ESOTERICA.FM É PATROCINADA
PELOS ASSOCIADOS DA LEVIR

  • ESOTERICA.FM
  • TEOSOFIA
  • PALESTRAS
  • LIVRARIA
  • ASTROLOGIA
  • NUMEROLOGIA
  • MAÇONARIA
  • CRISTIANISMO
  • TELEMENSAGENS
  • TEXTOS EM INGLÊS
  • MEMBROS
  • INDIQUE-NOS
  • FALE CONOSCO

    LIVROS
    RECOMENDADOS

    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    PEQUENO LIVRO DA FRANCO-MAÇONARIA (O)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    A TÉCNICA DA VIDA ESPIRITUAL




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ADVAITA BODHA DEEPIKA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    A VOZ DO SILêNCIO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    CÓDIGO DA BÍBLIA (O)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AUTOCULTURA À LUZ DO OCULTISMO




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    APRENDENDO A VIVER A TEOSOFIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LUX ESOTERICA - OS ENSINAMENTOS ESOTÉRICOS DE JESUS




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    RAJA YOGA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    OS ENSINAMENTOS DE JESUS E A TRADIçãO ESOTéRICA CRISTã




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VOCÊ COLHE O QUE PLANTA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    AS SETE GRANDES RELIGIõES




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    12 SEGREDOS SIMPLES DA FELICIDADE




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    VOZ DO SILÊNCIO (A)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    CÓDIGO DA BÍBLIA (O)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    GRAU DO MESTRE ELEITO DOS NOVE




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    MISTÉRIOS DO KARMA E A SUA SUPERAÇÃO (OS)




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    FUNDAMENTOS DE TEOSOFIA




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    HINO DE JESUS,O




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    LEIS DO CAMINHO ESPIRITUAL




    CLIQUE PARA ADQUIRIR
    ASPECTOS DAS ARTES DE CURAR





    VEJA A
    RELAÇÃO
    COMPLETA
    DE LIVROS



    FALE CONOSCO!


    INDIQUE ESTA PÁGINAINDIQUE AQUI
    Indique Esta Página para seus amigos!

  • TEOSOFIA NO TIBET - ENSINAMENTOS DA ESCOLA DE JONANGPA
     
    TEOSOFIA NO TIBET
    OS ENSINAMENTOS DA ESCOLA DE JONANGPA
     
    por David Reigle
     
    [Relatório do Dzyan Research Report , da Eastern School Press, reimpresso sob permissão]
     
    Cerca de sete séculos atrás surgiu no Tibet uma escola de sabedoria que têm muitos paralelos com a Teosofia. Esta é a escola Jonangpa. Como a Teosofia que tentou restabelecer ensinos "da religião universalmente difundida do mundo antigo"[1] ela tentou restabelecer ensinos de antiga Idade Dourada. Como  a Teosofia a qual ensina como sua primeira proposição fundamental "um princípio onipresente, eterno, ilimitado e imutável sobre o qual toda a especulação é impossível, uma vez que transcende o poder de concepção humana"[2], ela ensina a respeito de um princípio que é permanente, estável, quiescente, e eterno que é destituído de qualquer coisa que não ele mesmo, ou "vazio de outros" (stong gzhan), e que transcende então até mesmo a mais sutil conceituação. E como a Teosofia, foi perseguida pela ortodoxia.
     
    Uma Doutrina Secreta
     
    Os ensinos da escola de Jonangpa foram originados por Yumo Mikyo Dorje (yu mo mi bskyod rdo rje), um iogue do décimo segundo século. Ele foi um pupilo de Soma-natha, um pandit em Sânscrito, e mestre Kalacakra da Cachemira que traduziu o grande comentário de Kalacakra Vimala-prabha para o tibetano. Diz-se de Yumo que recebeu os ensinos de Jonangpa enquanto praticava a ioga Kalacakra de seis ramos no Monte Kailasa no Tibet ocidental.  Os ensinos de Jonangpa incluem primariamente a transmissão de Kalacakra  e a doutrina do "vazio de outro" ou a doutrina shen-tong (gzhan stong).  Yumo expôs estes como uma "doutrina secreta" (lkog pa'i chos). [3] Ele não dispôs, porém,  estes ensinos em escritos; assim nós não temos dele um trabalho chamado A Doutrina Secreta, como nós temos de H.P. Blavatsky. A tarefa de colocá-los na forma escrita foi deixado a um sucessor, Dolpopa.
     
    A Doutrina de Coração
     
    Estes ensinos foram transmitidos oralmente a Dolpopa (também escrito Dolbupa, 1292-1361) que fixou em escritos o ensinos shen-tong ou "vazio de outros" em seu livro mais famoso, A Montanha Dharma --O Oceano do Significado Definitivo (ri chos nges don rgya mtsho).  Estes ensinos são citados como a "doutrina do coração" (snying po'i don), assim Dolphin descreve este livro como a "Luminária da Doutrina do coração". [4]
     
    A respeito da doutrina de coração, H.P. Blavatsky declara: [5]
     
     Para qualquer estudante de Esoterismo Budista o termo "O Mistério do  Olho", mostrará a ausência de qualquer Esoterismo. Colocando a  palavra "Coração" em seu lugar, então teria significado que isto  agora só professa algo para carregar. A "Doutrina" do Olho significa dogma e a forma de letra morta, ritualismo de igreja que fingiu para esses que são conteúdo com formula exotérica. A "Doutrina do Coração ou "O Selo do Coração" (o Pecado Yin), é o único real.
     
    Tradição da Idade de Ouro
     
    Dolpopa escreveu outro livro famoso, O Quarto Conselho (bka' bsdus bzhi pa) que descreve a relação entre os quatro yugas e o declínio da doutrina. Na Idade de Ouro (krta yuga) os ensinos do cânon sagrado budista eram compreendidos corretamente, mas esta compreensão foi gradualmente perdida com o progresso da terceira idade, a segunda idade, e a idade negra. Assim muitos escritores budistas de épocas mais recentes que já não tiveram o verdadeiro entendimento escreveram comentários que não explicam os ensinos corretamente. É o propósito de Dolpopa restabelecer a correta compreensão como fora na Idade Dourada. Conseqüentemente ele se refere aos ensinos de Jonangpa como a "Tradição da Idade Dourada" (rdzogs ldan lugs). [6]
     
    No artigo Teosófico intitulado "Ensinamentos Tibetanos", Blavatsky concorda que o Cânone budista tibetano tem um significado dual, e aqueles inúmeros comentaristas não entenderam o verdadeiro significado: [7]
     
     Não há dúvida que as Escrituras chinesas e tibetanas, assim chamadas,  os trabalhos comuns da China e Japão, alguns escritos por nossos muitos  estudiosos instruídos, muitos dos quais --como sinceros e  piedosos homens não iniciados --comentaram sobre o que eles nunca corretamente  compreenderam, e que contém uma massa de questões mitológicas e legendárias  mais apropriadas para folclore primário do que uma exposição da Religião Sabedoria  como a pregada pelo Salvador do mundo. Mas nenhum destes  será achado no cânon; . . . [os textos canônicos]  não contém qualquer ficção, mas simplesmente informação para as futuras  gerações que podem, naquele período, ter obtido a chave para corretamente  as apreciar...
    Nota: Os livros de Dolpopa foram proibidos no século 17 e se tornaram extremamente raros. Nos anos 70 e 80 alguns destes livros foram localizados e reimpressos. Em 1990, Matthew Kapstein visitou o que fora o distante Tibet oriental, agora a China ocidental, onde alguns monastérios de Jonangpa haviam sobrevivido, e obteve para a Biblioteca do Congresso norte-americano uma coleção completa dos Trabalhos Coletados de Dolpopa. Estes foram reimpressos em Delhi em 1992.
     
    Os Ensinos de Jonangpa: Kalacakra e Maitreya
     
    Os ensinos de Jonangpa são principalmente baseados em Kalacakra e os trabalhos de Maitreya. Eu forneci evidência em outro trabalho unindo o "Livro de Dzyan ", sobre o qual baseia-se A Doutrina Secreta e o perdido Mula Kalacakra Tantra.[8] Uma passagem importante de uma carta de H.P. Blavatsky para A.P.Sinnett também une o Livro de Dzyan e o trabalho de Maitreya: [9]
     
     Eu terminei um enorme Capítulo Introdutório, ou Preâmbulo,  Prólogo, chame do que quiser; apenas pra  demonstrar para o leitor que o  texto [de A Doutrina Secreta] como apresentado, cada Seção começando  com uma página de tradução do Livro de Dzyan e o  Livro Secreto de "Maytreya Buddha "Champai chhos Nga (em prosa, não os  cinco livros em verso conhecidos, que são uma dissimulação) não são nenhuma ficção.
     
    Blavatsky aqui se refere a um livro secreto de Maitreya como oposto aos cinco livros conhecidos. É notável que vieram do Tibet, via Índia, duas escolas de interpretação dos trabalhos de Maytreya: uma escola doutrinária, ou analítica, cujo exegese textual ainda é corrente, e uma escola de pensamento meditativa, ou prática, a quail desapareceu alguns séculos atrás. De acordo com Leonard van der Kuijp, esta escola não morre mas sim se tornou a base dos ensinos de Jonangpa: [10]
     
     Pesquisa como esta futuramente pode mostrar duas coisas. Primeiramente, que o  precursor da denominada posição Jô-nang-pa e a ' Grande  madhyamaka' formavam a escola meditativa e prática, que cresceu  ao redor destes ensinos de Maitreya[natha]. No curso de tempo,  outros textos que expressaram sentimentos semelhantes, ou que eram  interpretados como mantendo idéias semelhantes, foram acrescidos ao  corpus original dos textos nos quais esta tradição se fundamentou.   Em segundo lugar, pode tornar-se possível demonstrar que  os esforços de Dol-po-pa poderiam ser caracterizados como uma tentativa para  reparar a 'Escola Meditativa` de acordo com a  metodologia normativa da Escola Analítica.
     
    O livro específico de Maitreya sobre o qual a doutrina fundamental de Jonangpa do shen-tong ou "vazio de outro" está baseada é o Ratna-gotra-vibhaga, também chamado Uttara-tantra. Este livro contém uma síntese o tathagata-garbha ou ensinamento "Buddha-matriz ". O tathagata-garbha que declara o ensinamento de uma matriz universal ou natureza de Buddha, que todas as pessoas possuem, é tão diferente de outros ensinos budistas que os escritores discordaram em como classificá-lo. No Tibet, ele foi classificado por alguns escritores como um ensinamento Madhyamaka, e por outros como um ensino Yogacara, entretanto, ele não se ajusta bem em ambas as categorias. Um antigo escritor chinês, Fa-tsang (643-712), colocou-o em sua própria categoria separada além das três aceitas, ou seja,  da Hinayana, Madhyamaka, e Yogacara.  [11] Analogamente, H.P. Blavatsky fala de uma sétima escola da Filosofia indiana (darsana) além das seis aceitas, a escola esotérica: [12]
     
     Esta é a visão de cada uma das seis grandes escolas da filosofia indiana  --os seis princípios daquele corpo de unidade da Sabedoria da  qual a ' gnosis', o conhecimento oculto, é o sétimo.
     
    Os Sete Grandes Mistérios
     
    O Mahatma Teosófico conhecido sob as iniciais K.H. fala de sete grandes mistérios da metafísica budista: [13]
     
     Com relação a isto, deixe-me falar-lhe antes, que uma vez que você  parece tão interessado no assunto você não pode fazer nada melhor  que estudar as duas doutrinas--do Karma e Nirvana-- tão  profundamente quanto puder. A menos que você esteja completamente familiarizado  com as duas doutrinas --a dupla chave para a metafísica de  Abhidharma-- você sempre se achará perdido tentando  compreender o resto. Temos vários tipos de Karma e Nirvana  em suas várias aplicações --para o Universo, o mundo,  Devas, Buddhas, Bodhisattvas, homens e animais-- o segundo  incluindo seus sete reinos. Karma e Nirvana são apenas dois entre  os sete grandes MISTÉRIOS da metafísica budista; e apenas quatro  dentre as sete são conhecidas dos melhores orientalistas, e muito  imperfeitamente.
     
    O Ratna-gotra-vibhaga de Maitreya, livro fonte do ensinamento tathagata-garbha ou "Buddha-matriz ", inicia listando os sete temas vajra. Vajra quer dizer diamante; e a analogia é dada no comentário por Aryasanga que como um diamante é duro de penetrar, assim estes assuntos são duros de entender. Assim eles podem ser chamados de mistérios. Aqui segue o verso de abertura:
     
     1. Buddha, doutrina (dharma), comunidade (gana = sangha), elemento  (dhatu), iluminação (bodhi = nirvana), qualidades virtuosas  (guna), e por último a ação de buddha (karma); estes sete  temas idênticos a diamante (vajra-pada), são em resumo, o corpo de  todo o texto.
     
    (nota: Dhatu é talvez o termo chave no  Ratna-gotra-vibhanga. Seu significado básico é "Elemento "(Hookham),  também "o Gérmen (do Budato) "(Obermiller), "a Essência [de  Buddha] "(Takasaki), natureza de buddha "(Holmes). Os sete  vajra-padas cada um tem uma convenção (samvrti) e um definitivo  (paramartha) aspecto. [14] Dhatu quando obscurecido é chamado  tathagata-garbha; quando não obscurecido é chamado dharma-kaya.   [15])
     
    Este texto fornece estas sete temas vajra do ponto de vista da sabedoria não dual (jnana). em outras palavras, ele os fornece em uma forma que não é muito acessível à mente. Assim os leitores não devem esperar encontrar os sete grandes mistérios declinados claramente  por eles neste texto. Como H.P. Blavatsky diz com respeito a uma das estrofes que ela traduziu do "Livro de Dzyan ": [16]
     
     Sua linguagem só é compreensível somente aquele que é completamente  versado nas alegorias Orientais e sua proposital fraseologia obscura.
     
    Porém, alguns destes sete assuntos, como karma, são fornecidos em uma forma que é mais acessível à mente (i.e., do ponto de vista de prajna) em um trabalho que faz parte do currículo monástico padrão, o Abhidharma-kosa de Vasubandhu. [17]
     
    O Elemento Uno
     
    O termo chave no Ratna-gotra-vihhaga de Maitreya é dhatu, ou elemento. É descrito no importante verso seguinte:
     
     80. Ele não nasceu, não morre, não é afligido, e não envelhece, porque ele é permanente (nitya/rtag-pa), estável  (dhruva/brtan-pa), quiescente (siva/zhi-ba), e eterno  (sasvata/g.yung-drung). --Ratna-gotra-vibhaga ou Uttara-tantra,  por Maitreya.
     
    Como indicado acima, esta substância una, dhatu ou elemento, pode ser chamado de tathagata-garbha ou natureza búdica quando obscurecida, e dharma-kaya ou corpo da lei quando não obscurecido.
     
    O elemento uno também é um conceito chave nos ensinamentos teosóficos como encontrado nas cartas dos Mahatmas:
     
     Contudo, você terá que manter em mente (a) que nós reconhecemos apenas  um elemento na Natureza (quer espiritual ou físico) fora do  qual não pode haver qualquer Natureza pois que é a Natureza em si, e que  como o Akasha penetra nosso sistema solar, cada átomo que é parte dele mesmo,  penetra através do espaço e é de fato o próprio espaço...   (b) que conseqüentemente o espírito e a matéria são um,  sendo apenas uma  diferenciação de estados não de essências... (c) que nossas  noções de "matéria cósmica" são diametralmente opostas aqueles da  ciência ocidental.
     
     Se por acaso você se lembrar de tudo isso é que nós teremos sucesso em comunicar-lhe  ao menos os axiomas elementares de nossa filosofia esotérica  mais corretamente que anteriormente. [18]
     
     Sim, como descrito em minha carta --há apenas um elemento e é impossível compreender nosso sistema antes que uma correta  concepção disto seja fixa firmemente na mente da pessoa. Você deve  portanto me perdoar se eu enfatizo o assunto mais longamente que realmente  pareça necessário. Mas a menos que este grande fato primário seja firmemente  compreendido o resto parecerá ininteligível. Este elemento então  é o --falando-se metafisicamente-- um subestrato ou causa permanente  de todas as manifestações no universo fenomenal. [19]
     
     Nós diríamos que é, e permanecerá demonstrado para sempre, uma vez que o movimento é todo-penetrante e o repouso absoluto  inconcebível, que sob qualquer forma ou máscara o movimento possa  aparecer, quer como luz, calor, magnetismo, afinidade química ou  eletricidade-- todos estes devem ser apenas fases da Una e mesma  onipotente Força universal, um Proteus a que se curvam como se para o Grande  "Desconhecido" (veja Herbert Spencer) e nós, simplesmente o chamamos a  "Vida Una", a "Lei Una" e o "Elemento Uno". [20]
     
    Estes três últimos epítetos, a "Vida Una", a "Lei Una", e o "Elemento Uno", correspondem bem aos termos de Ratna-gotra-vibhaga: tathagata-garbha, dharma-kaya, e dhatu, respectivamente.
     
    A Crítica de Tsong-kha-pa aos Ensinos de Jonangpa
     
    O ensinamento de Jonangpa  acerca de um permanente, estável, quiescente, e eterno dhatu, ou tathagata-garbha, ou dharma-kaya, que estão "vazios de outros" (gzhan stong) e portanto em última instância além do espectro e alcance do pensamento, foi aparentemente criticado por Tsong-kha-pa, fundador dos Gelugpa ou "ordem do Chapéu Amarelo". Um dos mais famosos livros de Tsong-kha-pa é o "bshad snying po", ou "Essência da Verdadeira Eloqüência", que ele escreveu depois de emergir de sua experiência de iluminação mais elevada, e nele acredita-se que fornece seus insights finais. [21] Mesmo que nunca menciona nomes, o objeto da maioria de suas críticas é identificado pela exegese dos Gelugpa como sendo Dolpopa e os ensinos de Jonangpa.  Tsong-kha-pa, 1357-1419 d.C., viveu logo após Dolpopa, 1292-1361.  Esta crítica é de grande importância para os Teósofos, uma vez que Dolpopa aparentemente ensina a primeira proposição fundamental de A Doutrina Secreta, e Tsong-kha-pa  aparentemente a refuta; ainda assim Tsong-kha-pa é considerado por Teósofos como "o reformador de Lamaísmo esotérico bem como do laico", [22] e como "o fundador da seita dos Gelukpa (chapéus amarelos), e da Fraternidade Mística conectada com seu chefes", [23] "o fundador da Escola Secreta próxima de Shigatse, ligada ao retiro privativo do Teshu-Lama". [24]
     
    Com respeito a esta pergunta, nós podemos comparar um teósofo Brahmin e seus comentários em uma situação de certa forma análoga com relação a Gautama Buddha e Sankaracarya, recordando-se daquelas fontes teosóficas que colocam a morte de Buddha em 543 A.C. e o nascimento de Sankaracarya logo após em 510 a.C.: [25]
     
     O movimento de Senhor Buddha deve ter produzido uma enorme  confusão nesta terra como você podem todos imaginar e o grande  filósofo que empreendeu a tarefa de restabelecer a ordem foi  Sankaracharya. Ele preservou a essência do que Senhor Buddha  afirmou e falou o que era apropriado às pessoas da época. Por  exemplo ele substituiu o Parabrahman Vedantino pelo  não-existência dos Buddhistas [vacuidade, sunyata]... O objetivo de nosso  grande reformador não era ensinar qualquer ciência esotérica mas   restabelecer a ordem em um país que não pôde suportar a amplitude  e captar a verdade que Senhor Buddha ensinou e por conseguinte se caiu  em confusão. Assim ele não tomou as coisas em qualquer  formulação purânica para traçar a operação da lei cósmica que  trouxe esta variação maravilhosa à manifestação desde  a não manifestação. Que o mundo é uma ilusão e  Parabrahman é única realidade é uma boa cobertura sobre cujo abrigo  poderia ser levado, baixo das circunstâncias, uma revelação da  verdade esotérica a ser esclarecida... Note aqui meus amigos, como o  grande filósofo se evadiu na questão de distribuir as verdades esotéricas, verdades que servem apenas como um poder unificador  para reconciliar as  aparentes contradições dos escritos antigos.
     
     O Instrutor só desejou imprimir nas mentes dos estudantes  que o universo é uno em sua essência e aparentemente muitos em sua manifestação. Que colheu sua própria cota de mau efeito com relação  as mentes dos estudantes pelo menos como eles se acham agora. A  vasta maioria dos estudantes Vedantinos aprende por seus estudos o  ditado de que "Parabrahman é a Verdade, todo o resto é ilusão".  Não devo agora  entrar aqui em declamações idiomáticas contra nossos pobres  Vedantistas mas eu diria alguns coisas para seu benefício e  direção no estudo do Bhagavad Gita do ponto de vista dos  antigos yajnikas. Para estes filósofos, a Natureza não é uma  ilusão mas o solo eterno da evolução, de uma infinita  existência Una que, permeando todo ponto na infinidade do espaço ou tomando o lugar do coração em tudo, tenta obter uma cada vez mais vívida  consciência por seus próprios processos de vida e ideais.   Este coração do universo, existente em todos lugares, é chamado  por eles o eterno yajna-purusha ou o purusha que subsiste em  todas as manifestações cósmicas.
     
    Tsong-kha-pa, em sua experiência mais exaltada de iluminação teria alcançado o pleno insight sobre a operação da duodécupla cadeia de causação, e teria antevisto os efeitos futuros de todos os ensinos que ele poderia dar. Pois a iluminação budista é, como descrito por H.P. Blavatsky: [26]
     
    ... o atingimento daquela perfeição suprema que conduz o  Iniciado a se lembrar da completa série de suas vidas passadas, e  prever aquelas futuras, pelo pleno desenvolvimento daquela visão divina  em seu interior, e pela aquisição do conhecimento que  revela as causas (as doze Nidanas chamados em Tibetano "Ten-brel Chu-gnyi", que é baseado nas "Quatro Verdades" dos  sempre-recorrentes ciclos de existência...
     
    Assim, Tsong-kha-pa pode bem ter escolhido dar ensinos públicos o qual seus insights mostraram ser muito mais efetivos no atendimento das necessidades espirituais de suas audiências futuras, enquanto ao mesmo tempo mantinha seus ensinos esotéricos fora da vista pública. Seus ensinos públicos realmente transformaram radicalmente o Budismo Tibetano, sendo comparáveis à revolução de Copérnico em que os europeus descobriram que a terra circula ao redor do sol ao invés do contrário. [27] Seus ensinos esotéricos foram reportados pelo  correspondente tibetano de H.P.Blavatsky: [28]
     
     Nosso venerável Tsong-kha-pa encerrando seu quinto Dam-ngag nos faz  recordar que ' toda verdade sagrada que o ignorante é incapaz de  compreender sob sua verdadeira luz, deve ser ocultado dentro de uma  armadura tripla, ocultando-se como a tartaruga esconde sua cabeça  dentro de sua casca; deveria mostrar sua face apenas para aqueles que estão  desejosos de obter a condição de Anuttara Samyak Sambodhi' --a do mais misericordioso e iluminado coração.
     
     Nós temos outra situação um pouco análoga em nosso próprio tempo com Helena P. Blavatsky, 1831-1891, a fundadora primitiva da Sociedade teosófica, e Jiddu Krishnamurti, 1895-1986, que deixou a Sociedade Teosófica em 1929 e gastou o resto da sua vida  ensinando que as pessoas não deveriam confiar em autoridades. Para os Teósofos, ele não negou os ensinos Teosóficos, mas só repudiou o papel da Sociedade Teosófica e as convicções aceitas pelos Teósofos como autoridade condutora à verdade. Ele ensinou que o indivíduo não pode chegar à verdade por meio de qualquer organização ou convicção. [29] Para a maioria dos seguidores de Krishnamurti nos dias de hoje, porém,  ele também refutou os ensinamentos teosóficos, como aquele de um onipresente, eterno, e ilimitado e imutável princípio o qual transcende o poder da concepção humana; da mesma maneira para os Gelugpas, Tsong-kha-pa refutou o ensinamento de Jonangpa, que ensinou acerca de um permanente, estável, quiescente e eterno dhatu, ou tathagata-garbha, ou dharma-kaya que é destituído de qualquer substância que não ele mesmo (gzhan stong), e assim transcende até mesmo a conceituação mais sutil.  
     
     
    Notas
     

    1. The Secret Doctrine, by H.P. Blavatsky, 1888; reprint, 
    Adyar, Madras: Theosophical Publishing House, 1978, vol. I, p.  
    xxxiv. 
     
    2. The Secret Doctrine, vol. I, p. 14. 
     
    3. See: "The Jo nan pas: A School of Buddhist Ontologists 
    According to the Grub mtha' sel gyi me lon, "by D. S. Ruegg, 
    Journal of the American Oriental Society, vol. 83, 1963, p. 83. 
     
    4. See: The Buddha Within: Tathagatagarbha Doctrine According to 
    the Shentong Interpretation of the Ratnagotravibhaga, by S. K 
    Hookham, Albany: State University of New York Press, 1991, p.  
    142. 
     
    5. The Secret Doctrine, Adyar 6-vol. edition, vol. 5, p. 407; 
    or, H.P. Blavatsky Collected Writings, vol. XIV, Wheaton, 
    Illinois: Theosophical Publishing House, 1985, pp. 444-45. 
     
    6. See: The 'Dzam-thang Edition of the Collected Works of 
    Kun-mkhyen Dol-po-pa Shes-rab Rgyal-mtshan: Introduction and 
    Catalogue, by Matthew Kapstein, Delhi: Shedrup Books, 1992, p.  
    51. 
     
    7. H.P. Blavatsky Collected Writings, vol. VI, 1954; 2nd ed., 
    Wheaton, Illinois: Theosophical Publishing House, 1975, p. 100. 
     
    8. See my: "New Light on the Book of Dzyan, "in Symposium on 
    H.P. Blavatsky's Secret Doctrine ... Proceedings, San Diego: 
    Wizards Bookshelf, 1984, pp. 54-67. 
     
    9. The Letters of H.P. Blavatsky to A. P. Sinnett, 1925; 
    reprint, Pasadena: Theosophical University Press, 1973, p. 195. 
     
    10. Contributions to the Development of Tibetan Buddhist 
    Epistemology, by Leonard W.J. van der Kuijp, Wiesbaden: Franz 
    Steiner Verlag, 1983, p. 44. 
     
    11. See: The Awakening of Faith, trans. Yoshito S. Hakeda, New 
    York & London: Columbia University Press, 1967, p. 14 
     
    12. The Secret Doctrine, vol. I, p. 278. 
     
    13. The Mahatma Letters to A.P. Sinnett, compiled by A.T.  
    Barker, 1923; third and revised edition, Adyar, Madras: 
    Theosophical Publishing House, 1962, p. 107. 
     
    14. See: "The Sublime Science of the Great Vehicle to 
    Salvation, "by E. Obermiller, Acta Orientalia, vol. IX, 1931; 
    reprinted as Uttaratantra or Ratnagotravibhaga, Talent, Oregon: 
    Canon Publications, 1984, p. 111. 
     
    15. See: The Buddha Within: Tathagatagartha Doctrine According 
    to the Shentong lnterpretation of the Ratnagotravibhaga, by S.  
    K. Hookham, p. 93. 
     
    16. The Secret Doctrine, vol. I, p. 106. 
     
    17. English translation by Leo M. Pruden as 
    Abhidharmakosabhasyam, from the French translation by Louis de La 
    Vallee Poussin, 4 vols., Berkeley: Asian Humanities Press, 1988, 
    1988, 1989, 1990. Includes commentary ( bhasyam). Karma is the 
    subject of chapter 4. 
     
    18. The Mahatma Letters to A. P. Sinnett, 3rd ed., p. 63. 
     
    19. The Mahatma Letters to A. P. Sinnett, 3rd ed., p. 89. 
     
    20. The Mahatma Letters to A. P. Sinnett, 3rd ed., pp.  
    155-56. 
     
    21. English translation by Robert A. F. Thurman as Tsong 
    Khapa's Speech of Gold in the Essence of True Eloquence: Reason 
    and Enlightenment in the Central Philosophy of Tibet, Princeton: 
    Princeton University Press, 1984. 
     
    22. The Mahatma Letters to A. P. Sinnett, 3rd ed., p. 44. 
     
    23. The Theosophical Glossary, by H.P. Blavatsky, 1892; 
    reprint, Los Angeles: The Theosophy Company, 1971, p. 305. 
     
    24. H.P. Blavatsky Collected Writings, vol. XIV, p. 425. 
     
    25. For the dates, see: Five Years of Theosophy, [edited by 
    George Robert Stow Mead,] 1885; second and revised edition, 
    London: Theosophical Publishing Society, 1894, pp. 195, 236.  
    The quotation is from Thoughts on Bagavad Gita, by A Brahmin 
    F.T.S., 1893; reprinted as Some Thoughts on the Gita, Talent, 
    Oregon: Eastern School Press, 1983, pp. 100-103. 
     
    26. The Secret Doctrine, Adyar 6-vol. edition, vol. 5, p.  
    397; or, H.P. Blavatsky Collected Writings, vol. XIV, p. 432. 
     
    27. See: Contributions to the Development of Tibetan Buddhist 
    Epistemology, by Leonard W.J. van der Kuijp, p. 45:
    28. In: "Tibetan Teachings, "H.P. Blavatsky Collected Writings, 
    vol. VI, pp. 99-100. 
     
    29. See: Krishnamutti: His Life and Death, by Mary Lutyens, New 
    York: St. Martin's Press, 1990, p. 149
     
    Tradução: Osmar de Carvalho
     


    Osmar de Carvalho
    Coordenador da Loja Teosófica Virtual
    http://www.geocities.com/loja-virtual
    osmar@levir.com.br

    PESQUISAR EM LEVIR.COM.BR

    GLOSSÁRIO
    TEOSÓFICO
    HOME TEOSOFIA PALESTRAS LIVRARIA ASTROLOGIA NUMEROLOGIA MAÇONARIA CRISTIANISMO ESOTERICA.FM MEMBROS
    WWW.LEVIR.COM.BR © 1996-2018 - LOJA ESOTÉRICA VIRTUAL - FALE CONOSCO: levir@levir.com.br - whatsapp: 11-984754717